TVI ainda pode escapar a condenação por notícia do Banif

Sanção só pode ser aplicada após estação voltar a ser ouvida pelo regulador

A TVI ainda pode escapar à condenação da Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) pelas falhas detetadas na notícia que terá prejudicado o Banif antes da resolução. Para já não há coima e a estação televisiva tem dez dias para se defender daquela que é das piores sanções que a ERC pode aplicar: obrigar a que a deliberação seja lida no serviço noticioso de maior audiência da TVI 24 e mantê-la 72 horas no site do canal.

Mas há algo de que a TVI já não se livra, como mostra a proposta de deliberação: as palavras duras dos da ERC. E sobre falhas jornalísticas como a inexistência de contraditório ("não auscultou o Banif") ou falta de rigor ("displicência e falta de sentido de responsabilidade patenteados pela TVI").

Ainda assim, explicou ao DN fonte da ERC, como esta é uma "decisão condenatória", não passa, para já, de uma "proposta de deliberação", já que a TVI tem de voltar a ser ouvida (num espaço de dez dias).
A mesma fonte da ERC explica que à TVI "não foi aplicada nenhuma multa", até porque "as multas pecuniárias não é o que mais custa aos órgãos de comunicação, é terem de divulgar as deliberações".
Isto porque as coimas, continua fonte da ERC, "não são de valores relevantes". A entidade vai, no entanto, enviar a deliberação a Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ), que depois terá o poder de aplicar contraordenações até aos 15 mil euros.

Os termos da proposta de deliberação foram conhecidos na sexta-feira, dois dias após o diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, ter sido ouvido na comissão de inquérito parlamentar sobre o tema.

Em causa estava apurar a veracidade da notícia, a forma como foi tratada e como afetou o banco. Na proposta de deliberação da ERC, é lembrado que a 13 de dezembro a TVI começou por pôr em rodapé a informação: "Banif: A TVI apurou que está tudo preparado para o fecho do banco". Seguiram-se depois várias informações de que haveria perdas para acionistas e depositantes, o que terá afetado, naturalmente, o banco.

Deputados divididos

Quanto à importância do puxão de orelhas (e possível condenação) da TVI pela ERC, os deputados que estão no inquérito à gestão, resolução e venda do banco dividem-se.

O coordenador dos deputados do PSD na comissão de inquérito, Carlos Abreu Amorim, disse ao DN que "a deliberação da ERC é concludente quanto ao modo desajustado e aligeirado como a notícia foi dada e sucessivamente remendada".

Para Carlos Abreu Amorim, as palavras dos conselheiros da ERC provam que este "foi o pior momento da vida da TVI, uma excelente estação de televisão que conta com alguns dos melhores profissionais portugueses e que não merecia isto". Para o social-democrata, "hoje é claro que o modo como a notícia aconteceu foi fatal ao afunilar as soluções possíveis para o Banif e tendo um papel decisivo no modo com a resolução se precipitou".

Já o coordenador dos deputados do PS, João Galamba, afirmou ao DN que a deliberação será "um pormenor" nas conclusões do inquérito, mas não fundamental. "Nós, ao contrário de outros partidos, como o PSD, não achamos a notícia da TVI uma questão central. Não alinhamos na ideia de que foi a responsável pelo que aconteceu ao banco." Embora acrescente: "É óbvio que não ajudou e era preferível que não tivesse acontecido."

O coordenador dos deputados do CDS, João Almeida, limitou-se a dizer que "se o desfecho for o que está na proposta de deliberação, não surpreende". Também o Bloco de Esquerda, através da deputada Mariana Mortágua, pede para que se deixem seguir os "dois caminhos distintos": o da ERC e o da comissão.

O DN contactou ainda o deputado do PCP António Filipe e o diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, que optaram por não prestar declarações.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.