Turismo judaico é nova estratégia de promoção de Portugal

Comitiva portuguesa esteve nos EUA para explicar aos judeus americanos porque devem conhecer a herança judaica portuguesa

Desde que foi aprovada a legislação que dá a nacionalidade portuguesa aos descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal a partir da Inquisição, 12 mil estrangeiros entraram com o pedido e cerca de 1800 já conseguiram a cidadania. É um processo que está a decorrer desde 2015 e marca uma aproximação do Portugal moderno a um legado histórico que muitas vezes foi esquecido. Agora, o governo português pretende ir mais longe e promover o país como destino turístico para os judeus americanos.

"O turismo judaico foi identificado como um pilar muito importante porque temos 29 sítios em Portugal, a maior parte localizados no interior, que têm herança judaica", explica ao DN a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, durante uma sessão de promoção de Portugal em Los Angeles. O templo sefardita Tifereth Israel foi a última paragem da comitiva organizada pela secretaria de Estado, em parceria com o consulado português de São Francisco e a comunidade judaica em Portugal. A tour promocional esteve em Nova Iorque, São Francisco e Los Angeles com a missão de explicar às comunidades judaicas porque devem descobrir a rede de judiarias em Portugal e a riqueza histórica que a diáspora espalhou pelo mundo.

Esta rede concentra-se no norte e centro do país, sobretudo no interior. A decisão de a promover nos Estados Unidos deve-se a uma confluência de fatores, desde a intenção de diversificar o tipo de produtos turísticos à explosão de interesse dos americanos por Portugal. Só entre 2015 e 2017, o número de turistas americanos que visitaram Portugal duplicou, passando de 400 mil para 800 mil; o crescimento foi embalado pela melhoria da situação económica e da reputação do país e pelo aumento das ligações aéreas. Celina Tavares, responsável do Turismo de Portugal, frisou isso mesmo no evento. Neste verão, haverá 91 voos semanais que vão ligar os Estados Unidos a Portugal. E como a comunidade judaica na América é forte e influente, esta componente inexplorada do turismo pode ter um efeito multiplicador.

O país da tolerância

Dois dos líderes religiosos mais importantes da comunidade judaica portuguesa acompanharam a comitiva para darem um testemunho na primeira pessoa e fomentarem uma ligação mais próxima aos congéneres americanos. Natan Peres, rabino da comunidade de Lisboa, falou da importância da diáspora portuguesa. "Fomos os primeiros judeus a instalar-se em Amesterdão, os primeiros a reentrar na Inglaterra e a chegar às Américas", disse o rabino no templo sefardita de LA. A primeira sinagoga de Nova Iorque, por exemplo, foi fundada por uma comunidade judaica portuguesa, e há muitos americanos judeus com nomes e apelidos portugueses. "Esse legado não tem sido contado", referiu Peres. "Portugal está aberto para negócio também com judeus. Só não durante o shabat", brincou.

Gabriel Steinhardt, presidente da Comunidade Israelita de Lisboa, centrou o seu testemunho em algo que outros membros da comitiva não quiseram dizer abertamente: Portugal é um país muito tolerante e as diferenças em relação aos vizinhos europeus são cada vez mais notórias. "Em países como a Bélgica ou a França as coisas são assustadoras", declarou, falando do sentimento de antissemitismo que está a crescer em certos meios extremistas. Natan Peres anuiu: "Com a situação na Europa, principalmente no norte, Portugal é um oásis", disse ao DN o rabino, que esteve dois anos em Amesterdão e quatro em Londres. "Tem piorado muito nos últimos anos e penso que também é um fator que contribuiu para isto", acrescentou, referindo-se ao maior interesse de judeus em visitar Portugal.

O ambiente não é apenas de tolerância, mas também de interesse. A comunidade judaica é muito pequena; calcula-se que ronde os 1500 em todo o país, entre 500 a 1000 em Lisboa, 200 a 300 no Porto e mais algumas dezenas em Belmonte, onde fica situada a terceira sinagoga do país. No entanto, os líderes religiosos notam que há um interesse crescente vindo de fora da comunidade. Foi isso também que incentivou o governo português.

A rede das judiarias

Fundada em 2011, a rede vai desde o cemitério judaico de Faro ao museu-sinagoga de Castelo de Vide, passando por Lamego, Guarda, Fornos de Algodres, Elvas, Freixo de Espada à Cinta e dezenas de outros locais. "Temos aqui dois produtos muito apelativos para o mercado americano", frisa a secretária de Estado Ana Mendes Godinho. Por um lado, é a possibilidade de irem conhecer esta herança judaica, que passa por todo o país. A segunda oportunidade, que o governo está a coordenar com a American Jewish Committee, "é aproveitar Portugal como um stop over para os judeus americanos que vão a Israel". A TAP está a trabalhar num codeshare com a EL AL Israel Airlines, para que quem vai dos EUA possa ficar até cinco noites em Portugal a caminho da Terra Santa.

Maria João Lopes Cardoso, a nova cônsul-geral de Portugal em São Francisco, diz que há também um grande volume de turistas americanos que vão à Terra Santa sem serem judeus. "Isto envolve as religiões judaico-cristãs", adianta, referindo que há muitos trunfos a mostrar. "Somos mais simpáticos e gostamos dos estrangeiros."

Turismo religioso cresce

Não é preciso olhar para os números para adivinhar que Fátima é a principal motivação de turismo religioso em Portugal. No ano passado, em que houve a visita do Papa Francisco, o centenário das aparições e a beatificação dos pastorinhos, o santuário recebeu oito milhões de visitantes - embora muitos deles não tenham necessariamente vindo de fora. Mas a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, refere que Fátima deu um grande impulso aos números globais de turistas em Portugal: os mercados que mais cresceram foram os da Coreia do Sul, Polónia, Itália, Brasil e Estados Unidos.

Sem dados globais sobre o turismo religioso em Portugal, Ana Mendes Godinho frisa que já há indicadores sobre o número de turistas que estão a visitar os ativos relacionados com a rede de judiarias: notam-se "crescimentos muito grandes". O Centro da Cultura Judaica de Trancoso, por exemplo, deu um salto de 30% em 2017, com cerca de 13 mil visitantes. O trabalho feito pelos municípios associados a esta rede de judiarias tem sido forte, incluindo uma passagem por uma feira de turismo em Israel, e está a dar frutos.

"É por isso que neste ano vamos fazer pela primeira vez e em colaboração com a ACISO [Associação Empresarial Ourém-Fátima] um congresso de turismo religioso, trabalho entre operadores turísticos especializados, que vai incluir também operadores de turismo judaico." A secretária de Estado refere-se aos VI Workshops Internacionais de Turismo Religioso que vão decorrer no final de fevereiro em Fátima e na Guarda. "Depois vão fazer visitas técnicas à rede da judiarias, para construir um produto", adianta, revelando que muitos operadores turísticos vão programar viagens de turismo judaico a Portugal pela primeira vez.

Tanto a comunidade como o Turismo de Portugal sabem que há trabalho a fazer, por exemplo ao nível da oferta de comida kosher. Mas há grande otimismo. A campanha levada aos Estados Unidos apresenta o país como sendo moderno, bem equipado, tolerante e agradável, um segredo que tem de ser descoberto, sob o mote "Can"t Skip Portugal."

Comunidade poderosa nos EUA

A escolha de Nova Iorque e Los Angeles para promover Portugal como destino turístico ligado à herança judaica tem um motivo muito concreto: estas são as cidades com as maiores comunidades judaicas do mundo fora de Israel. Nova Iorque tem cerca de dois milhões de judeus, quase 20% da população, e Los Angeles conta com 660 mil, enquanto São Francisco tem uma comunidade de 391 mil. No total, há seis milhões de judeus nos Estados Unidos da América, o que por si só é um número relevante; mas a sua influência económica e cultural é bem mais extensa do que o peso relativo da população.

Los Angeles, a capital mundial da produção cinematográfica, tem uma história bem documentada de influência da cultura judaica. Muitas posições de relevo em Hollywood são ocupadas por judeus, desde a Walt Disney à CBS, e é impossível não pensar em grandes atores como Barbra Streisand, Harrison Ford, Natalie Portman, Scarlett Johansson, Dustin Hoffman, Jake Gyllenhaal, Adam Sandler, Ben Stiller, Gwyneth Paltrow. Este domínio é motivo de orgulho para muitos e motivo de preocupação para outros; nos anos 1990, o ator Marlon Brando viu-se envolvido em polémica quando disse que Hollywood era dominado por judeus e estes deviam ter maior sensibilidade em relação às minorias que estão a sofrer. Na altura, 60% das posições de poder em Hollywood eram detidas por judeus. Mais recentemente, em 2014, Gary Oldman sofreu uma tempestade de críticas por comentários similares numa entrevista à Playboy.

A ideia de que Hollywood é controlada por judeus é passada como uma espécie de anedota que toda a gente conhece. Mas a representação da cultura judaica no grande ecrã é bem mais recente. O livro de Neal Gabler An Empire of Their Own: How the Jews Invented Hollywood, publicado em 1988, argumenta que a intenção dos judeus europeus que fundaram os estúdios de cinema nas décadas 1910 e 1920 era criar uma indústria sem antissemitas, e que em troca ignoraram a representação da cultura no cinema. Essa correção, que começou a fazer-se sentir mais a partir dos anos sessenta e setenta, causou esta paranoia entre os que são dados a teorias da conspiração e acreditam que os zionistas querem controlar o mundo.

A presença da cultura judaica em Los Angeles sente-se um pouco por todo o lado, desde os restaurantes kosher às muitas sinagogas, escolas e grupos profissionais dedicados a jovens judeus. É ainda mais proeminente em Nova Iorque, devido aos números substanciais num espaço mais reduzido, não apenas em termos culturais mas também em termos políticos. Um estudo gigantesco divulgado em 2012 pela UJA-Federation of New York, o maior de sempre à data, indicava um aumento da ortodoxia entre os judeus da região, com maior dedicação religiosa e mais conservadorismo. Ainda assim, nas eleições de 2016, a esmagadora maioria dos eleitores judeus votou em Hillary Clinton (71%), uma subida de dois pontos em relação a Obama em 2012. Em conjunto com os mormons, os judeus representaram os únicos grupos religiosos que aumentaram a percentagem de votos na opção democrata em comparação com a republicana. Os outros, desde os protestantes aos católicos, reduziram o apoio ao Partido Democrata e optaram por Donald Trump.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...