Três marroquinos foram recrutados em Portugal para o Daesh

O falso refugiado marroquino ajudava jovens do seu país a obterem asilo em Portugal e radicalizava-os. Um foi preso em França

Pelo menos três jovens marroquinos, com estatuto de refugiados, partiram de Portugal para a Síria, onde receberam treino militar, depois de terem sido radicalizados por Abdesselam Tazi, o marroquino que o Ministério Público (MP) acusou ontem de adesão e recrutamento para organização terrorista.

Um destes jovens, Hicham el Hanafi, regressou ao nosso país e foi daqui que partiu para França, onde se juntou a um grupo de jihadistas que estavam a preparar atentados naquele país, seguindo instruções do Daesh, também conhecido por Estado Islâmico. Foi preso pela polícia francesa em 2016 e ainda está na cadeia, com grande parte da prova sustentada pelas autoridades portuguesas. Tazi está detido, desde março de 2017, na prisão de Monsanto, depois de ter sido deportado da Alemanha, para responder pelos crimes de que está agora acusado.

A investigação conduzida pela Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ e coordenada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) identificou todo o modus operandi protagonizado por Abdesselam Tazi, de 63 anos, que chegou a Portugal em 2013, com um passaporte falsificado e pediu asilo político, alegando ser perseguido pelo governo do seu país. Tazi terá pertencido à polícia de Marrocos e ao Partido da Justiça e Desenvolvimento, um partido islâmico, que está no governo desde que ganhou as eleições em 2011.

No mesmo avião de Tazi, proveniente da Guiné-Bissau, vinha Hanafi, que, de acordo com a investigação portuguesa, começou a ser radicalizado por este ainda em Marrocos, sendo convencido a emigrar para Portugal. Hanafi terá conhecido Tazi em 2010 e, até aí, tinha uma vida de um muçulmano normal, não extremista.

Depois de terem obtido o estatuto de refugiados, passaram a residir em Portugal, tendo fixado a partir de Aveiro uma "célula jihadista" cujo objetivo era apoiar a vinda para a Europa de jovens marroquinos, através da obtenção de asilo político, radicalizá-los para os enviar para as fileiras do Daesh na Síria e financiar ações terroristas. Os migrantes eram "escolhidos" em Marrocos, com a promessa de lhes arranjarem trabalho na Europa. Depois era organizada a viagem, com a instrução de que quando entrassem no espaço Schengen, como Portugal, requeressem asilo, alegando perseguição política.

Abdesselam Tazi era presença regular no Centro Português para os Refugiados (CPR), onde ficavam instalados os marroquinos nos primeiros meses, tendo sido aqui que, de acordo ainda com a investigação da UNCT e do DCIAP, tentava os recrutamentos. O discurso radical, em defesa do islamismo violento, levantou suspeitas de outros refugiados que ali se encontravam, facto que chegou ao conhecimento do SEF, tendo desencadeado a investigação em causa.

O primeiro a viajar para a Síria foi Hanafi, em meados de 2014, onde recebeu treino militar com manuseamento de armas de fogo, tendo regressado no início de 2015. Todas as despesas foram pagas por Tazi. Também a sua deslocação para Paris, em 2016, para participar em atentados terroristas - o que foi provado pela polícia daquele país -, bem como todo o apoio logístico, foi financiado por Abdesselam Tazi. O grupo planeava atacar vários edifícios das autoridades, a Disneyland e até os Campos Elísios.

No CPR, que foi o centro maior de recrutamento em Portugal, foram aliciados, segundo a investigação das autoridades portuguesas, oito marroquinos, tendo, pelo menos dois deles, também viajado para a Síria, onde combateram pelo Estado Islâmico. Estes processos de radicalização começavam quando os jovens ainda estavam a aguardar a resposta aos pedidos de asilo, período durante o qual Tazi os apoiava, convidava para sua casa, pagava viagens e refeições, enquanto os convencia da doutrina jihadista. Prometia-lhes o pagamento de 1800 dólares mensais (cerca de 1500 euros) para se juntarem ao Daesh.

De acordo com o comunicado da Procuradoria-Geral da República divulgado ontem - dia em que um cidadão marroquino protagonizou um atentado em França, matando três pessoas (ver pág. 40) -, Tazi terá ainda, através da utilização de cartões de crédito falsos, obtido fundos com o objetivo de financiar atividades relacionadas com o terrorismo e que seriam levadas a cabo por jovens por si radicalizados.

A investigação registou que Tazi utilizava três cartões de crédito, que tinha obtido através de esquemas fraudulentos, e detetou sete identidades falsas. Aliás, quando chegaram a Portugal pela primeira vez, o seu passaporte e o de Hicham el Hanafi estavam em nomes diferentes dos deles. Quando o SEF detetou a falsificação recusou-lhes a entrada em território nacional, tendo então os dois pedido o estatuto de refugiados, como já tinham planeado.

A atividade para o Daesh levou Tazi a outros países, como Brasil, Alemanha, Reino Unido, Espanha ou Holanda, onde ficaram referenciados pela utilização de documentos falsos. Em 2016 foram deportados do Reino Unido e, nesse mesmo ano, Hanafi foi apanhado no País Basco, num controlo policial das autoridades espanholas, na companhia de outro cidadão marroquino. Em julho de 2016, Abdesselam Tazi foi detido preventivamente na Alemanha, por crimes de fraude informática com cartões de crédito. Com as autoridades portuguesas a seguirem os seus passos, foi constatado que, possivelmente, sairia em liberdade depois do julgamento marcado para o final desse ano. Foi nessa altura que o DCIAP emitiu um mandado de detenção europeu. Tazi seria depois deportado para Portugal e preso.

Além dos crimes de adesão e recrutamento para o Daesh, o MP acusou-o também de um crime de falsificação, quatro de uso de documento falso e um de financiamento, tudo visando o terrorismo.