Três helicópteros operacionais para o início da época de incêndios

Fase Bravo começa no domingo. Secretário de Estado da Administração Interna pede aos cidadãos que se comportem de forma responsável

Três helicópteros Kamov, dos seis que integram a frota do Estado, estarão operacionais na fase Bravo do dispositivo de combate a incêndios florestais (DECIF) de 2016, que começa no domingo, disse o secretário de Estado da Administração Interna.

Em declarações à agência Lusa, em Fátima, distrito de Santarém, Jorge Gomes afirmou que o DECIF 2016 está "preparado para que o país encare mais um verão com toda a normalidade e com toda a naturalidade".

"Vamos ter cerca de 6.000 operacionais e 1.500 viaturas no terreno, vamos ter os meios aéreos, vamos ter os três Kamov, está resolvida essa questão, é uma não questão", frisou o governante.

O secretário de Estado apelou ainda aos cidadãos para que se comportem "de forma responsável" com o intuito de minimizar o risco de incêndio florestal.

"Apelo sempre aos cidadãos para que, com os seus comportamentos, façam com que não haja fogos. Se todos tivermos um comportamento responsável, se formos nós o primeiro agente de Proteção Civil, o ano vai correr bem", declarou Jorge Gomes.

Já o comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), José Manuel Moura, disse que "está tudo preparado" para o início da fase Bravo - que se estende de 15 de maio e 30 de junho - "sem nenhum constrangimento".

"As condições meteorológicas têm sido favoráveis [a que não existam fogos florestais) mas por outro lado prejudicam outras áreas, nomeadamente as cheias que ainda poderão existir no Tejo, Douro e Mondego. Mas o planeamento foi todo efetuado, dia 15 [de maio] estamos a postos para a fase Bravo", afirmou.

Já sobre a operacionalidade dos três helicópteros Kamov, José Manuel Moura disse "concordar plenamente" com o secretário de Estado: "é uma não questão", enfatizou.

A 26 de abril, intervindo na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, o secretário de Estado da Administração Interna disse está a ser estudada a possibilidade de "abate e venda" do helicóptero Kamov de combate a incêndios florestais, acidentado desde 2012.

Na altura, afirmou ainda que os dois helicópteros restantes, - ambos inoperacionais um desde 2015 e outro desde 2013 - estão a ser reparados com o objetivo de virem a integrar o DECIF de 2017.

Sublinhou, no entanto, que, se "o processo de reparação for rápido", ainda podem integrar o DECIF deste ano.

Ainda segundo Jorge Gomes, o DECIF de 2016 vai contar com os três helicópteros pesados Kamov, num total de 47 meios aéreos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG