Terceira dose da vacina do sarampo ainda só está em estudo

80% das pessoas com sarampo estavam totalmente vacinadas. Todos os infetados neste surto têm forma ligeira da doença e não a transmitem

"Não há um único estudo científico ou recomendação internacional que aponte para a necessidade de uma terceira dose [da vacina do sarampo]. No futuro, depois de muitos estudos e muita investigação, pode vir a ser necessária, mas agora não é", explicou ao DN Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, que ontem foi questionada sobre este tema na Comissão da Saúde.

Depois de ter sido ouvida na comissão, a pedido do PCP e do PS, juntamente com outros sete especialistas, Graça Freitas esclareceu ao DN que neste momento "as duas doses estão corretas, tanto aqui como em toda a Europa, Canadá, Estados Unidos, Austrália". Uma situação que pode mudar, admitiu, já que "os vírus, as doenças e as vacinas são coisas que vão evoluindo". Mas não existe, frisou, qualquer recomendação para uma terceira dose da vacina.

De acordo com o último balanço da Direção-Geral da Saúde, ao longo do atual surto foram confirmados 86 casos, 80 dos quais já se encontram curados e a maioria com ligação ao Hospital de Santo António, no Porto. Entre os infetados, avançou Graça Freitas, 80% estavam vacinados com duas doses. "Estavam, portanto, completamente e muito bem vacinados", afirmou na Comissão de Saúde.

Todos os infetados, referiu a diretora-geral da Saúde, desenvolveram uma "forma ligeira e modificada da doença", mas não a transmitem. "Aquilo a que estamos a assistir é a uma forma de sarampo modificada. O estado imunitário das pessoas é que modificou e não o vírus", sublinhou.

De acordo com a especialista em saúde pública, "o surto atual de sarampo é diferente daquele que atingiu Portugal no ano passado", não se conhecendo, para já, qual o caso zero. "Temos três possíveis linhagens de caso zero", adiantou, acrescentando que as investigações ainda estão a decorrer. Sobre as diferenças entre o atual surto e os dois que atingiram o país em 2017, explicou que o atual "só atinge adultos jovens".

A sessão, na qual foram ouvidos mais sete especialistas, ficou também marcada pelas declarações da bastonária dos enfermeiros, Ana Rita Cavaco, que denunciou o desperdício de centenas de vacinas devido a quebras de energia que desligam os frigoríficos e declarou, ainda, que existem ruturas no abastecimento destes fármacos em várias unidades do país, dando vários exemplos de vacinas que estiveram em falta em algumas unidades. Ao DN, Graça Freitas escusou-se a comentar as declarações da bastonária, mas garantiu que "não há nenhuma rutura" no país. "Se pontualmente falta alguma vacina é porque não é encomendada" pela unidade de saúde.

Na sua intervenção, Ana Rita Cavaco alertou ainda para o facto de os enfermeiros serem em "número insuficiente" para assegurar a vacinação diária em todos os centros de saúde do país e para convocar crianças e adultos com vacinas em falta e em atraso. Além disso, diz que são deitadas ao lixo centenas de vacinas porque os frigoríficos das unidades de saúde não dispõem de UPS (fonte de alimentação ininterrupta). Com Lusa

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.