Mário Machado mantém-se preso em segurança máxima

A Direção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP) decidiu manter em regime de prisão de segurança máxima o dirigente da Frente Nacional Mário Machado, também líder do movimento Hammerskins Portugal, conotado com a extrema direita.

A decisão do DGSP, a que a agência Lusa teve acesso, datada de 15 de maio deste ano, surge semanas depois de o Tribunal de Execução de Penas (TEP) de Lisboa ter decidido passar Mário Machado para o regime de prisão comum, no Estabelecimento Prisional de Monsanto.

A DGSP considera que Mário Machado cumpre prisão "pela prática de crimes que configuram criminalidade violenta", entre os quais discriminação racial.

"Este tipo de crimes integra uma periogosidade que é agravada em meio prisional, a qual é incompatível com uma afetação ao regime comum", refere-se no despacho, acrescentando-se que "Mário Machado assume-se e é publicamente reconhecido enquanto líder de organização de natureza política que preconiza a discriminação racial".

A manutenção do regime de prisão de segurança máxima vai permitir, conclui o despacho, que fique "adequadamente assegurada quer a ordem, a disciplina e a segurança dos estabelecimentos prisionais, quer a própria integridade física" de Mário Machado.

A DGSP lembra ainda que Mário Machado teve "dois graves acidentes", um no Estabelecimento Prisional instalado junto da Polícia Judiciária em Lisboa, pelo qual lhe foi imposta uma pena disciplinar de 10 dias, e outro por ter concedido uma entrevista ao jornal i sem ter recebido autorização.

O advogado José Manuel de Castro revelou surpresa à Lusa pelo despacho "sem precedentes" da DGSP, que "não cumpriu a decisão judicial que declara anulada a decisão que mantém Mário Machado em regime de prisão de segurança".

"Esta nova decisão difere da anulada não nos fundamentos, mas na forma, na medida em que especifica mais factos que, no entender da DGSP, justificam a manutenção do regime de segurança", sublinha o causídico.

José Manuel de Castro recordou que "os dois acidentes remontam a 2009 e foram alegadamente passados no EP da Judiciária, com Mário ainda em prisão preventiva: o alegado incidente com Otero, o 'violador de Telheiras', e uma entrevista ao jornal i, que, na altura, apenas motivou uma mera admoestação verbal do director da cadeia".

Para a defesa de Mário Machado, que vai recorrer da decisão do DGSP, este novo despacho é "verdadeiramente inédito na justiça portuguesa" e "é vergonhoso".

A alteração do regime permitiria a Mário Machado requerer em breve a liberdade condicional, uma vez que já cumpriu metade das penas aplicadas em cúmulo jurídico, que a Relação de Lisboa, em março de 2011, fixou em seis anos e 10 meses de pena de prisão.

O líder dos Hammerskins Portugal tinha sido condenado pelo Tribunal Criminal de Loures a uma pena de sete anos e dois meses de prisão efetiva pelos crimes de roubo, sequestro, posse ilegal de arma e coação.

No entanto, o juiz do recurso entendeu absolver Mário Machado pela prática de dois crimes de coação, pelo que a pena foi reduzida em quatro meses.

Para a definição do cúmulo jurídico de Mário Machado foram consideradas as condenações em três processos: de difamação, ameaça e coação a uma procuradora da República; de discriminação racial, coação agravada, detenção de arma ilegal, danos e ofensa à integridade física qualificada; e de crime de detenção de arma de fogo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...