Só 79 dos 768 refugiados que deixaram Portugal regressaram

Primeiro balanço do governo sobre acolhimento aos refugiados desvaloriza falhas. Inquérito foi feito a contrarrelógio

Apenas 79 dos 768 refugiados (10%) que abandonaram Portugal e o programa de acolhimento aceitaram regressar ao nosso país, depois de terem sido detetados por autoridades europeias e obrigados a voltar. Os designados "movimentos secundários" dos refugiados, recebidos no âmbito do programa europeu de recolocação, são um dos alvos do "Relatório de Avaliação da Política Portuguesa de Acolhimento de Pessoas Refugiadas Recolocadas", um balanço exigido pelo BE ao governo e a que o DN teve acesso em primeira mão. Segundo o BE, o inquérito foi feito a contrarrelógio, pedido em novembro para estar pronto em dezembro, e só um terço das entidades responderam.

Mas neste documento é assumido pela primeira vez que mais de metade dos refugiados (51% dos 1520 acolhidos) abandonaram o programa, tal como o DN já tinha noticiado, e identificadas algumas das falhas nas políticas de integração que potenciaram essa situação. Ainda assim, o Alto-Comissariado para as Migrações, a entidade oficial responsável pela avaliação, conclui que os resultados do programa de recolocação "são francamente positivos", valorizando a outra quase metade (49%) que ficou, dando destaque a vários casos de sucesso. "Em conclusão do processo de auscultação as entidades e técnicos, não obstante a complexidade do desafio, Portugal pode orgulhar-se de ter estado, mais uma vez, do lado certo da história", é salientado no final do documento.

No entanto, na verdade, a "síntese conclusiva" omite alguns dos fatores que o próprio relatório aponta como pontos fracos do programa e que podem ter motivado a elevada taxa de abandonos, principalmente as falhas dos serviços públicos. Nesta conclusão, justificam-se os "movimentos secundários" com dois motivos: Portugal não ter sido a primeira escolha dos "requerentes" e o facto de as principais nacionalidades instaladas no nosso país (Síria, Iraque e Eritreia) "não terem comunidades prévias instaladas no nosso país, o que levanta dificuldades na aprendizagem na língua e na adaptação cultural".

Nenhuma das "fraquezas" apontadas nas respostas ao inquérito dirigido às entidades de acolhimento, é ali destacada: "Falta de informação pré e pós-partida; montantes disponibilizados e período de apoio de 18 meses são insuficientes, bem como a morosidade no pagamento das tranches dos protocolos entre o SEF e entidades de acolhimento, levando a um esforço financeiro; falta de cobertura nacional de programas de aprendizagem do português, desde o início, e formação profissional; falta de acompanhamento e formação mais regular das equipas técnicas locais", lê-se no documento. Entre as "ameaças" percecionadas ao programa encontra-se as "dificuldades na integração profissional", a "dificuldade de contacto, ausência de respostas e morosidade no processo de regularização, por parte do SEF, a dificuldade na obtenção de equivalências académicas", bem como as turmas de aprendizagem de português "com um limite mínimo de participantes muito elevado, com baixo número de ações por ano não adaptadas à realidade dos refugiados" e também as "elevadas expetativas das pessoas refugiadas, na comparação do modelo português com os outros".

Paradoxalmente a estes testemunhos o governo congratula-se com o facto de, entre os refugiados acolhidos, 50% "em idade ativa estarem integrados em formação profissional ou emprego", 98% "têm acesso à frequência de aulas de língua portuguesa", 100% têm acesso a cuidados de saúde e 55% (cerca de 380) das pessoas "que terminaram o período de acolhimento institucional, autonomizaram-se, não necessitando de quaisquer apoios complementares".

O deputado bloquista José Manuel Pureza, param quem este relatório "ficou muito aquém do necessário", olha para estes números com desconfiança. "Apesar de ser muito positivo que se tenha feito este relatório para nos permitir saber, aproximadamente, o que se passa com os refugiados no nosso país, ele revela pouca exigência com os conteúdos", argumenta o deputado, apontando três motivos: "Não há uma avaliação aprofundada sobre o modo como a integração está a acontecer e os seus problemas, mas apenas alguns dados estatísticos em bruto; os refugiados não foram ouvidos (segundo o relatório apenas uma de cinco associações de refugiados responderam ao questionário) e foi um inquérito tardio (enviado em novembro para estar concluído em dezembro), o que provoca uma grave lacuna na perceção da realidade, pois o que fica registado são as opiniões das instituições, como as IPSS ou câmaras municipais; por último, são notórias as contradições, com o exemplo mais flagrante das recomendações que apontam necessidade de melhorias e reforços em matérias que o relatório tinha identificado como sucesso, como no acesso à educação, no ensino do português, ou no emprego e formação profissional".

À direita, no PSD, Duarte Marques, que foi o relator para o Conselho da Europa de um estudo sobre a situação dos refugiados no espaço europeu, acha que se tem que "ir mais longe". "É verdade que Portugal esteve do lado certo da história, mas nem as boas intenções, nem a forma propagandística como o governo tem tratado esta questão chegam, se na prática os refugiados se deparam com complicações burocráticas, da responsabilidade dos serviços públicos, que lhe complicam a vida e a sua integração. Deviam ser criadas estruturas ou balcões de atendimento especiais para estes casos que são muito específicos", sublinha. O deputado vê a elevada taxa de abandono como um "sinal" claro dessas falhas. No entanto, salvaguarda, "o governo não pode ser responsabilizado totalmente por esta situação, pois é o próprio sistema de recolocação que envia pessoas para países que não são a sua primeira escolha". No seu entender, tal como dizia no seu relatório para o Conselho da Europa e que foi aprovado pela maioria dos estados-membros, "devia haver penalizações para os refugiados que abandonam os programas de acolhimento, pois isso seria dissuasor". Duarte Marques deixa ainda um aviso ao governo: "Atenção aos refugiados que abandonaram o país e regressam. Vêm frustrados por não terem conseguido ir para onde queriam e é fundamental criar um programa especial para estas pessoas".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.