Sete diferenças entre Marcelo e Cavaco

De um Presidente para o outro as diferenças saltam à vista, mais que não seja pelo agrado que Marcelo mostra em falar ao país. Cavaco era muito reservado

1. Explicações
O novo Presidente da República inaugurou ontem um novo estilo de promulgação do Orçamento do Estado com uma explicação ao país sobre as razões da sua decisão.

Cavaco Silva nunca aproveitou o momento da decisão sobre os orçamentos para comunicar diretamente com os portugueses. Quando o fez foi por comunicado da Presidência.

2. Hora de falar ao país

Marcelo Rebelo de Sousa escolheu as cinco da tarde para dizer as três razões da aprovação do OE 2016, o que conferiu maior informalidade ao que comunicou ao país.

O anterior chefe do Estado escolheu sempre o horário nobre, o das 20.00, sempre que quis dizer alguma coisa ao país, num registo de total formalidade institucional.

3. Tom do discurso

Marcelo foi explicativo e muito didático no enquadramento das circunstâncias do Orçamento do governo socialista. Tentou ao máximo usar sempre termos de fácil apreensão.

As promulgações de Orçamentos por Cavaco não tiveram grande história. E quando o ex-PR teve dúvidas constitucionais socorreu-se de termos técnicos para mandar esses OE para o tribunal.

4. Formalismo ou improvisação

O registo do novo Presidente foi o de uma conversa informal. Sem discurso escrito, improvisou tudo quanto disse e disse tudo quanto queria. O treino de anos de comentário televisivo terá ajudado.

O anterior chefe do Estado raramente falou de improviso e apenas em circunstâncias muito particulares. Cavaco Silva sempre preferiu os discursos escritos, que respeitava na íntegra.

5. Estilo

Os gestos e a linguagem corporal de Marcelo são muito semelhantes aos que tinha na televisão enquanto comentador político e que contrariam qualquer formalismo institucional.

Até porque era um político muito tímido e pouco dado a grandes conversas, Cavaco sempre teve um estilo superreservado. No espaço público foi sempre contido nos gestos.

6. Cenário

Marcelo escolheu um cenário completamente diferente para falar do Orçamento do Estado no Palácio de Belém. Sentado à mesa, num registo de intimidade com o local de trabalho.

A Sala dos Embaixadores, cheia de pompa e circunstância, foi sempre a escolhida por Cavaco Silva para as suas comunicações. O ex-presidente falou sempre de pé e atrás do púlpito.

7. Pose
O novo Presidente da República continua a manter uma pose de professor, sempre pronto a trocar por miúdos ao país as grandes questões nacionais, mesmo as mais complexas como as do OE.

Cavaco Silva nunca conseguiu um registo afetuoso na sua pose enquanto chefe do Estado. Pelo contrário, deixa uma imagem de rigidez e de distanciamento enquanto político.

Exclusivos