Seixas da Costa: Próximo secretário-geral da ONU será escolhido por EUA e Rússia

O candidato escolhido é sempre alguém que o ocidente propõe e a quem a Rússia diz que sim, lembra o diplomata

A vice-presidente da Comissão Europeia Kristalina Georgieva vai esta segunda-feira defender a sua candidatura à liderança da ONU na Assembleia Geral das Nações Unidas, mas a decisão caberá aos Estados Unidos e à Rússia, diz Francisco Seixas da Costa.

A escolha do sucessor de Ban Ki-moon entrará, por isso, na sua fase decisiva na próxima quarta-feira, quando Georgieva for ouvida pela primeira vez no Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas e a Assembleia Geral só voltará a pronunciar-se sobre o próximo secretário-geral quando houver um - e apenas um - candidato, sublinha o antigo embaixador português junto das Nações Unidas.

"Nunca haverá impasses nesta decisão - que será do CS - e nunca a Assembleia Geral (AG) terá a última palavra", diz Seixas da Costa. "Estou a dizer CS para utilizar uma fórmula muito normativa, porque na realidade, quem decide é um acordo entre os Estados Unidos e a Rússia", acrescenta Seixas da Costa.

"Sobre isso, não há a mais pequena dúvida. No passado foi sempre assim. O candidato escolhido é sempre alguém que o ocidente propõe e a quem a Rússia diz que sim", afirma taxativo.

"A AG terá formalmente a última palavra, mas será só sobre um candidato, que é o que o CS vai produzir. E não há nenhuma dúvida de que o CS acabará por produzir um candidato, que, neste momento, e olhando para os equilíbrios em cima da mesa, será Georgieva ou Guterres", acrescenta o antigo secretário de Estado dos Assuntos Europeus, para quem, como dizem os franceses, "les jeux sont faits".

Ainda que lançados, porém, os dados não pararam de rolar. Quando se apresentar ao CS, no dia 5, a vice-presidente da União Europeia vai ser sujeita aos mesmos votos que qualquer outro candidato. Precisará de ter um mínimo de nove votos no conjunto global dos quinze membros do CS.

"Poderá não ter -- admite Seixas da Costa -, mas há seguramente nesta candidatura tardia uma jogada que deve ter tido algumas garantias. Ou, pelo menos, a garantia da não-oposição de princípio de qualquer Estado ou membro permanente e, em particular, da Rússia".

"Como é que é possível esta candidatura [de Georgieva] ter surgido sem um mínimo de concertação com a Rússia?", interroga. Ainda que não vá ao ponto de afirmar que "os EUA estejam envolvidos nesta fase do campeonato nessa negociação", o ex-governante acredita não apenas que terá acontecido essa concertação, como, pelo menos, houve "da parte da Rússia um 'nihil obstat', uma indicação de que não colocarão obstáculos a Georgieva desde o início. Porque um veto russo, obviamente, inviabilizaria essa situação", afirma.


"Enfim, alguns perguntam porque razão ela só teve um mês de licença sem vencimento. Mas a Rússia, provavelmente, deve ter dado algum sinal de que deixaria o processo avançar no quadro do CS com Georgieva lá dentro sem, pelo menos no início, lhe criar um veto", acrescenta.

Por outro lado, sublinha Seixas da Costa, é difícil conceber que "esta candidatura se tivesse feito num pressuposto da posição que os russos assumiram ao colocarem reticências ao modo como [a chanceler alemã] Angela Merkel, à margem da reunião do G20 [em Hangzhou, na China, em 4 e 5 de setembro último], tentou promover a candidatura de Georgieva".

"Os russos reagiram, na altura, contra isso, mas se essa reação significasse que, perante o surgimento da candidatura de Georgieva, a vetariam, então, seguramente, ela não teria avançado", considera o ex-embaixador.

"A questão a saber -- e para mim é a grande questão para a qual não tenho resposta -- é em que medida uma candidata que surge de um conjunto de países que tem atrás de si nos últimos meses um histórico de tensões com a Rússia pode, ao mesmo tempo, satisfazer a Rússia. Não sei como é que esta quadratura do círculo pode ser ultrapassada", acrescenta Francisco Seixas da Costa.

Mas já não falta muito para que se saiba se Georgieva avançou com as garantias de que nenhum membro do Conselho de Segurança a vai vetar.

Quanto a António Guterres, Seixas da Costa acredita que "será difícil para um país como a França ou como o Reino Unido, ou mesmo como os Estados Unidos, darem um voto negativo", que o afaste.

"Seria um gesto que é pouco compatível com aquilo que foi o sentido de algumas conversas de natureza político-diplomática que se tem vindo a ter ao longo dos últimos meses", diz.

"A grande incógnita é a posição da China ou da Rússia. Não temos qualquer indicação de que o candidato António Guterres possa ter uma objeção de fundo de qualquer destes dois países", acrescenta.

Daí que - Seixas da Costa volta ao seu ponto - "vamos saber qual é o candidato que mais convém à Rússia, dentro do leque daqueles que lhe são apresentados pelo ocidente. É esta a regra".

Quando aos membros não permanentes do CS, o ex-embaixador considera ser "um pouco complicado" perceber como vão votar. "No passado, na sucessão das várias votações, já houve cambalhotas, mudanças de posição. Não podemos excluir em absoluto que haja até ao final algumas mudanças de posição", avisa.

A vice-presidente da Comissão Europeia Kristalina Georgieva defende esta segunda-feira a sua candidatura à liderança da ONU perante a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Georgieva, que se junta agora à corrida pela liderança das Nações Unidas, submete-se, como sucedeu com os restantes candidatos, às perguntas da Assembleia Geral durante aproximadamente duas horas

A Bulgária anunciou no dia 28 de outubro a mudança da sua candidata ao cargo de secretário-geral da ONU, substituindo Irina Bokova por Kristalina Georgieva.

Dos 12 candidatos iniciais, três já renunciaram, pelo que com a entrada de Kristalina Georgieva são dez os aspirantes ao cargo.

A próxima votação do Conselho de Segurança é a 05 de outubro, na qual se ficará a conhecer a posição dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU -- Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido --, com poder de veto.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG