Segurança já leva turistas a trocarem França por Portugal

Com a instabilidade provocada pelos ataques terroristas, turistas fogem de países como França ou Turquia. Portugal recebe mais

Conseguir um alojamento de última hora no Algarve pode não ser uma tarefa fácil. Depois da enchente no mês de agosto, espera-se um novo crescimento no número de turistas em setembro. Isto porque Portugal tem estado a lucrar com a fuga aos destinos sob ameaça de terrorismo, entre os quais a Turquia, onde as reservas de voos para os próximos meses caíram 52% face ao ano passado. A novidade é que a ameaça também atinge a França, onde a quebra prevista é de 20%. Portugal, Itália e Espanha beneficiam. Por cá, representantes do setor do turismo do Algarve e da Madeira acreditam que este poderá ser um dos melhores verões de sempre.

Uma tentativa de golpe de estado e uma série de ataques terroristas fizeram que a Turquia sofresse perdas consideráveis no setor do turismo. De acordo com um estudo da consultora Forward Keys, citado pela BBC, as reservas de voos caíram 15% entre junho de 2015 e julho de 2016, sendo esperada uma quebra de 52% entre setembro e dezembro, relativamente ao ano passado. Já na França, os ataques terroristas, do Charlie Hebdo ao Bataclan, provocaram uma diminuição de 5,4% nas reservas de voos para o país entre agosto de 2015 e julho de 2016, perda que chegou aos 7,5% em Paris.

A instabilidade provocada pelo terrorismo tem favorecido países como Portugal, Espanha e Itália, vistos como mais seguros. Perante um aumento na procura de voos, nos primeiros sete meses deste ano, a oferta de lugares disponíveis para Portugal subiu 12%, uma vez que no Reino Unido e em Espanha o crescimento chegou aos 19%.

"As taxas de ocupação subiram todos os meses, particularmente entre janeiro e maio. Estou convicto de que este vai ser o melhor ano de sempre em termos de atividade turística na região", disse ao DN Desidério Silva, presidente do Turismo do Algarve, destacando as temperaturas elevadas que se têm feito sentir no Sul, as noites quentes e a temperatura da água do mar, que chegou aos 26 graus. "Este verão foi um grande cartaz de visita para o próximo ano." Desidério não esconde que o Algarve tem beneficiado da instabilidade de outros destinos, mas frisa que a região "tem sabido criar condições para ser competitiva".

Até ao final do mês de junho, o número de ingleses - turistas em maior número no Algarve - a viajar para a região aumentou 16,3% face a igual período do ano passado. "Além do Reino Unido, os principais mercados estrangeiros - Alemanha, Holanda e Irlanda - apresentaram subidas muito interessantes", adiantou ao DN Elidérico Viegas, presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). Em termos de ocupação, a subida foi de 8,5% no primeiro semestre deste ano, algo que já era esperado pelos responsáveis pelo setor. "Não era difícil de prever, face à instabilidade na concorrência, nomeadamente na Turquia", o "concorrente mais direto", mas também "no Egito e na Tunísia".

Em julho, a taxa de ocupação média no Algarve foi de 88%, tendo chegado aos 95% em agosto. Ainda sem dados definitivos, Elidérico Viegas fala em crescimentos na ordem dos 2%, uma vez que são meses em que grande parte dos hotéis já têm taxas próximas dos 100%. "Esperamos que o crescimento possa chegar aos 5% em setembro. Acreditamos que será possível atingir os 85% a 86%", revelou.
Em Lisboa, a tendência também é de crescimento. No primeiro trimestre deste ano, a capital até ultrapassou o Algarve em número de hóspedes e receitas de hotelaria: 5,2 milhões de hóspedes e proveitos de 772 milhões de euros.

Melhor verão na Madeira

Na Madeira entraram 654 mil turistas nos primeiros seis meses deste ano, que originaram 3 milhões e 438 mil dormidas na hotelaria regional, um aumento de 12,9% e de 11,1%, respetivamente, face a 2015. "Somando crescimentos consecutivos em todos os seus indicadores de produção, a Madeira segue em frente naquele que deverá ser o seu melhor ano de sempre, uma vez ultrapassados que estão, até agora, os recordes atingidos em 2015", diz ao DN Eduardo Jesus, secretário regional da Economia, Turismo e Cultura. Ao que tudo indica, não deverá sentir-se o impacto dos incêndios. De acordo com o gabinete do secretário regional, este verão registou-se um aumento de 10% nas reservas face a 2015.

No Porto e Norte de Portugal, os indicadores de maio apontam para um crescimento de 15,5% relativamente ao mesmo mês do ano anterior. "O crescimento do turismo, embora reforçado obviamente nas cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, estende-se a todo o território Porto e Norte de Portugal", frisa Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, acrescentando que são os espanhóis que mais procuram o norte.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG