Secretário das Florestas admite incluir bombeiros na prevenção de incêndios

Miguel Freitas defende que os bombeiros façam o mesmo trabalho dos sapadores florestais, como a limpeza das matas.

O secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, admite que não lhe "repugna a ideia de que os bombeiros possam também ter intervenção em matéria de prevenção" de incêndios, numa entrevista ao jornal Público, defendendo que os bombeiros façam o mesmo trabalho dos sapadores florestais. Este inclui, por exemplo, a limpeza das matas.

"Temos de trazer a lógica do combate para a prevenção. Só no momento em que conseguirmos que quem está no combate possa fazer prevenção é que conseguiremos vencer o desafio que temos pela frente", acrescentou o secretário de Estado.

Miguel Freitas, que chegou ao governo poucos dias após a tragédia de Pedrógão Grande, garante que no horizonte de cinco anos os gastos entre prevenção e combate estarão equilibrados e as infraestruturas para travar o avanço do fogo concluídas.

O secretário de Estado afirma ainda que "o país não é todo para florestar" e que "entre ter má floresta e não ter floresta, é preferível não ter".

"Temos de fazer escolhas certas para não chegarmos ao verão e ver o país a arder", afirmou.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.