Salvaterra de Magos. Homem matou a mulher no trabalho e suicidou-se

A GNR foi alertada por alguém que ouviu o som dos tiros. A vítima feminina tinha 45 anos

Um homem matou a alegada companheira e cometeu suicídio. O crime ocorreu esta terça-feira, ao início da tarde.

A mulher, de 45 anos, era secretária na empresa de transportes Running & Flying, em Salvaterra de Magos, e foi baleada com uma arma de fogo.

Sabe-se pouco sobre o casal - e se ainda seria um casal - uma vez que não são residentes em Salvaterra de Magos, mas sim de Santarém, soube o DN.

No local estiveram os bombeiros de Samora Correia e de Salvaterra de Magos e a Viatura Médica de Emergência e Reanimação do hospital de Santarém. Foi também enviada uma equipa de psicólogos do INEM.

Fonte da Polícia Judiciária disse à Lusa que "foi dado conhecimento de duas mortes, com arma de fogo" e que na empresa onde a mulher trabalhava, na Estrada Nacional 118, em Salvaterra de Magos, no distrito de Santarém, estão elementos daquela polícia "a proceder a diligências".

De acordo com a GNR de Santarém, "há suspeitas de que possa tratar-se de um homicídio seguido de suicídio, mas só a investigação permitirá confirmar".

Ainda segundo a GNR, que montou um perímetro de segurança no local, "a vítima do sexo feminino tinha 45 anos", desconhecendo ainda a idade do homem.

Fonte do CDOS (Comando Distrital de Operações) de Santarém disse à Lusa que o alerta foi dado às 13:27, tendo os bombeiros encontrado no local "duas vítimas mortais" e "os psicólogos do INEM prestado auxílio psicológico a um trabalhador".

Segundo a mesma fonte, no local estiveram 10 operacionais apoiados por cinco viaturas, entre elementos dos bombeiros de Salvaterra de Magos e de Samora Correia, a GNR e Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital de Santarém.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.