Santa Casa prevê receitas de 250 milhões/ano com apostas desportivas

Onze anos após o lançamento do Euromilhões, a Santa Casa disponibiliza a partir de hoje o Placard. É necessário o NIF.

Qual será o resultado do jogo ao intervalo? E no final do tempo regulamentar? A partir de hoje, os portugueses têm à disposição um novo jogo de apostas desportivas nos mais de 4500 mediadores dos Jogos Santa Casa. Chama-se Placard e, para já, vai testar o conhecimento dos apostadores em jogos nacionais e internacionais de futebol, basquetebol e ténis. Segundo as previsões da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o novo jogo deverá ser o terceiro com vendas mais altas, logo depois da Raspadinha e do Euromilhões, sendo estimado que gere receitas brutas da ordem dos 250 milhões de euros.

Antes de escolher o novo jogo social do Estado, os apostadores devem consultar a lista de competições e eventos, disponível nos mediadores, no portal Jogos Santa Casa e na aplicação para smartphones Placard. Num mediador preenchem o bilhete da aposta de acordo com o seu prognóstico e fazem o registo, apresentando obrigatoriamente o número de identificação fiscal (NIF ou o número de contribuinte).

As apostas custam entre um e cem euros e, segundo a Santa Casa, podem ser feitas até cinco minutos antes do início dos eventos selecionados pelo jogador. Contudo, avança o Dinheiro Vivo, lá mais para a frente vai ser possível jogar durante as competições. Quanto aos prémios, a Santa Casa diz que variam consoante "o montante base apostado, a modalidade de aposta e as quotas atribuídas aos prognósticos selecionados pelo apostador caso estejam corretos".

Mais modalidades

Os jogadores podem fazer quatro tipos de apostas: resultado no final do tempo regulamentar, ao intervalo, no final do tempo regulamentar mas tendo em conta a vantagem em golos ou pontos com que as equipas entram em campo e podem ainda apostar se o número de golos, pontos ou jogos no final do tempo regulamentar for superior ou inferior ao número indicado. No futebol estão disponível as quatro, no basquetebol as duas primeiras e no ténis apenas a última.

Há apostas simples (selecionando entre um e oito prognósticos no bilhete de apostas, com direito a prémio por cada prognóstico correto), combinadas (selecionando entre dois e oito prognósticos, com direito a prémio apenas se acertar em todos os prognósticos) e múltiplas (de uma seleção de três a cinco prognósticos, se tem direito a prémio se acertar num número mínimo de prognósticos de acordo com o sistema escolhido.) "Procurando acompanhar a normal curva de aprendizagem dos apostadores, a oferta de modalidades, competições e tipos de apostas será faseada no tempo", lê-se no comunicado da Santa Casa. Para já, só é possível apostar no futebol, no basquetebol e no ténis, mas dentro de seis meses deverão estar disponíveis apostas para outras modalidades, nomeadamente em corridas desportivas de automóveis. De acordo com o regulamento publicado em Diário da República, vão ser disponibilizados 28 tipos de apostas. No futuro, deverá ser possível apostar em quem marca o primeiro golo, se ambas as equipas marcam ou qual a equipa, o competidor ou o piloto que chega ao pódio, por exemplo.

A Santa Casa disponibiliza, assim, as chamadas "apostas desportivas à quota de base territorial", já que têm de ser feitas em espaços físicos e "exigem a presença do jogador". As estimativas são de que venham a gerar receitas de cerca de 250 milhões de euros por ano e que o valor dos prémios a distribuir pelos apostadores seja de 50 milhões de euros. Até 150 euros podem ser reclamados escassos minutos depois de o jogo acabar, conta o Dinheiro Vivo, mas entre esse valor e os cinco mil euros o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária até um prazo que pode chegar a duas horas após o jogo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG