Salários milionários e a nomeação "mistério" da ex-assessora de Sérgio Monteiro

O Presidente da CRESAP, João Bilhim desafiou o governo a tomar medidas para resolver a situação

Não teve conhecimento, estranha o procedimento e entende que o governo já devia ter tomado medidas. É esta a síntese possível da resposta do presidente da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CRESAP) em relação à nomeação de Lígia Fonseca, que veio do gabinete do ex-secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, como vogal da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC). João Bilhim falava na comissão parlamentar de Economia, numa audição, a pedido do PS, sobre as nomeações para o Conselho de Administração (CA) daquela entidade reguladora e o aumento, para o triplo, dos seus vencimentos, decisões tomadas ainda pelo executivo PSD/CDS.

João Bilhim disse aos deputados que tem "muitas dúvidas" sobre o processo de Lígia Fonseca, sublinhado que "não passou" pela CRESAP. A ex-assessora de Sérgio Monteiro foi indicada por este ex-governante para o Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), que se viria depois a transformar na ANAC. A nomeação para o cargo de vogal foi feito em "regime de substituição", um estatuto que, sublinhou o presidente da CRESAP, "não está previsto nas entidades reguladoras", como a ANAC, onde se encontra atualmente Lígia Fonseca.

"Tivemos conhecimento da sua nomeação em regime de substituição para o INAC, mas sobre a sua nomeação para a ANAC nada passou pela CRESAP. Uma coisa é certa, quem está em regime de substituição está numa situação periclitante. Interrogo-me porque tendo passado tanto tempo, mais de 100 dias deste governo, a situação ainda não foi resolvida", declarou Bilhim. Esta vogal "em substituição" não tem experiência conhecida na área da regulação da aviação civil, foi afirmado na comissão.

Os salários milionários dos três membros da administração da ANAC, Luís Ribeiro, Carlos Seruca Salgado e Lígia Fonseca, foram também alvo de interrogações dos deputados. A remuneração mensal de Luís Ribeiro, o presidente da ANAC, subiu de 6030,20 euros para 16075,77; o vice-presidente, Carlos Salgado, deixou de receber mensalmente 5498,65 euros para passar a receber 14468,20 euros. Lígia Fonseca recebia 5141,70 e agora recebe 12860,62. A justificação dada pela ANAC é que esses são os salários praticados em todas as entidades reguladoras.

Mas os deputados estranham que, tendo Luís Ribeiro e Carlos Salgado sido avaliados pela CRESAP como "adequados, com limitações" para o exercício do cargo, "tenham ainda visto os seus salários triplicar". Bruno Pires do PCP quis saber "então afinal, quais são as consequências de uma avaliação com limitações". Esta nota negativa da CRESAP teve como principais fundamentos o facto de Luís Ribeiro e Carlos Salgado serem quadros da ANA- Aeroportos de Portugal, uma das entidades regulada pela ANAC. "Então como se vão eles pronunciar sobre matérias essenciais daquela empresa, como as taxas dos aeroportos ou os despedimentos coletivos que têm sido noticiados? Afinal as "limitações" servem para quê? Para ter ordenado aumentado sob o argumento que temos de agarrar os "melhores"?" questionou o deputado comunista.

João Bilhim, que assinalou a falta de competência da CRESAP para se pronunciar sobre as opções salariais dos gestores públicos, a não ser a pedido das tutelas, explicou: "A indicação de limitações para determinado cargo tem um caráter preventivo, serve de alerta para que se saiba que, em relação a estas pessoas há uma ligação anterior a empresas reguladas que tem de ser tida em conta". Mais uma vez, desafiou o governo a tomar medidas. "Sendo uma questão delicada, chegamos à conclusão que é necessário tomar medidas com urgência", afirmou.

O deputado Bruno Dias ganhou o prémio da melhor expressão da sessão, sintetizando o que considera estar em causa no processo da ANAC: "Isto é tudo muito bonito, são todos boas pessoas, mas a verdade é que me roubaram o guarda-chuva!".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.