Reclusos de Olhão começaram hoje a limpar praia da Ilha da Armona

São cinco os detidos que durante os dias 14 e 25 de maio vão estar a trabalhar na limpeza daquela praia do Algarve. Uma ação conjunta do Estabelecimento Prisional de Olhão e da Câmara Municipal

Na sequência do protocolo assinado em fevereiro de 2017 entre a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e a Câmara Municipal de Olhão, uma brigada de cinco reclusos, custodiada por um elemento da vigilância, começou esta segunda-feira a trabalhar na limpeza da praia da Ilha de Armona, no Algarve. A preparar o verão.

Os presos vão estar em limpezas entre os dias 14 e 25 de maio, sendo este trabalho devidamente remunerado. Cada detido aufere uma remuneração diária no valor de 25,69€ (vinte cinco euros e sessenta e nove euros), sendo o seguro de acidentes de trabalho também da responsabilidade da autarquia.

Esta experiência de trabalho, que se repete pelo segundo ano consecutivo, "promove o sentido de responsabilidade dos reclusos, estimulando-os a participar na execução do seu tratamento prisional, bem como nos seus processos de reinserção social, nomeadamente através do trabalho e de contacto com a sociedade envolvente que, desta forma, também toma conhecimento do préstimo social das pessoas que cumprem penas privativas de liberdade", explica ao DN o gabinete de Reinserção.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.