Quem autorizou a destruição da Fonte de Boliqueime?

IP surpresa com destruição da Fonte de Boliqueime durante requalificação da EN125. Autarquia de Loulé vai fazer 'queixa' ao governo

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse hoje à Lusa que não autorizou a destruição da fonte de Boliqueime, no concelho de Loulé, no âmbito das obras de requalificação da Estrada Nacional 125, ato que está gerar controvérsia na região.

"A IP não autorizou a destruição da Fonte de Boliqueime e irá analisar esta questão no âmbito da subconcessão" que tem com a concessionária privada Rotas Litoral do Algarve, lê-se no esclarecimento dado à Lusa, observando que o caso vai ser analisado com a máxima urgência.

O presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vitor Aleixo (PS), emitiu um comunicado onde sublinha que vai dar conhecimento à tutela governamental sobre a destruição daquela fonte considerada património daquela freguesia algarvia.

"Aquele organismo público, não tendo consultado os órgãos autárquicos em devido tempo, apresentou como facto consumado o que agora se verifica com a destruição da Fonte/Poço de Boliqueime, que já muitas décadas vinha constituindo motivo de interesse e identificação dos naturais de Boliqueime, e naturalmente do município", refere aquele responsável.

A Câmara Municipal de Loulé demarca-se da intervenção realizada na localidade, onde sublinha terem sido projetadas soluções que criam diversos obstáculos e dificuldades à mobilidade naquela zona, principalmente no que respeita à circulação dos peões.

Entre as críticas feitas à IP e à concessionária responsável pela requalificação da EN 125, a Câmara de Loulé aponta ainda a falta de concertação entre entidades que permitisse articular a requalificação da EN 125 com as obras na rede de saneamento básico que a autarquia quer executar.

A falha de colaboração entre entidades vai resultar, de acordo com a Câmara Municipal de Loulé, no prolongamento das obras da rede de saneamento básico e torná-las mais dispendiosas.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.