PSP acusada de abuso de força em detenção de cidadão com "deficiência psíquica"

Vídeo foi partilhado por centenas de pessoas nas redes sociais, mas já não está disponível

Um vídeo com agentes da PSP a deter um homem que alegadamente tem "deficiência psíquica" foi partilhado por centenas de pessoas nas redes sociais durante a tarde de hoje. De acordo com o autor da publicação, que entretanto já não está disponível, em causa estará a detenção feita numa loja Pingo Doce por agentes da esquadra de Odivelas, que alegadamente terão usado força excessiva.

Não se sabe o que antecede a detenção. Ao DN, fonte oficial Pingo Doce adiantou que está "em processo de averiguação interna", não tendo ainda "informação integral da situação". O que foi transmitido pela loja, adiantou, "é que o seu normal funcionamento estava a ser perturbado e que o agente terá procurado repor a ordem".

Segundo o homem que fez a publicação no Facebook, o detido terá decidido fazer uma reclamação e terá pedido ao agente para falar com o chefe deste. "O senhor agente como tem poder amplo da sociedade portuguesa diz 'quem manda aqui sou eu, eu é que sou polícia'", lia-se no post. Entretanto, o homem terá pedido a identificação ao agente, que respondeu solicitando que lhe mostrasse a sua. "O detido diz que não lhe dá e que quer falar com o chefe dele".

No vídeo, vê-se o agente a tentar imobilizar o homem, enquanto este oferece resistência. "Filmem, filmem isto", grita durante as filmagens, nas quais surgem várias pessoas a pedir compreensão com o indivíduo, uma vez que terá "deficiência psíquica". Num segundo vídeo, surgem dois polícias a tentar imobilizar o mesmo homem, tendo acabado por chamar um terceiro elemento.

O DN tentou obter um esclarecimento junto da esquadra da PSP de Odivelas, mas ainda não foi possível obter resposta.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.