Santana apela a "grande participação" nas diretas

Candidato à liderança do partido votou ao início da tarde e disse estar confiante no futuro

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes apelou hoje a uma grande participação dos militantes nas eleições internas e afirmou que o seu desejo é ganhar as próximas legislativas, se possível com maioria absoluta.

"Quero acima de tudo apelar aos militantes do PPD/PSD para que participem em massa nestas eleições, faça sol ou faça chuva, e deem ao país uma grande prova de força e um grande sinal de vitalidade", afirmou, pouco depois de exercer o seu direito de voto nas eleições diretas para a escolha do presidente do PSD, cerca das 14:40.

Questionado se está confiante nos resultados, Santana Lopes respondeu afirmativamente, mas disse que, em dia de eleições, prefere afirmar-se "confiante no futuro do partido para as grandes batalhas dos próximos dois anos".

Confrontado com as palavras proferidas, poucos minutos antes, pelo ainda presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, de que o partido terá de ter um resultado significativo se quiser voltar ao poder, Santana Lopes disse estar consciente dessa "grande responsabilidade".

"Não há duas sem três, espero que o PPD/PSD vá para a terceira vitória consecutiva em legislativas, espero que a próxima seja com maioria absoluta", desejou.

Santana Lopes cruzou-se com Passos Coelho, que votou cerca de 10 minutos antes num hotel em Lisboa onde estão instaladas as secções de voto da capital, e os dois cumprimentaram-se amigavelmente.

Questionado se, se vencer, conta com o seu adversário nestas eleições, Rui Rio, Santana disse contar "com todos".

"A minha tarefa a partir de logo à noite é unir, para depois ganharmos os combates externos (...) Ficaria muito contente se hoje houver uma grande percentagem dos inscritos a votar", afirmou, reiterando o seu apelo à participação.

Mais de 70 mil militantes do PSD vão poder escolher hoje o próximo presidente social-democrata e sucessor de Pedro Passos Coelho nas eleições diretas disputadas entre Pedro Santana Lopes e Rui Rio.

De acordo com a secretaria-geral do PSD, os militantes com quotas pagas até ao fecho dos cadernos eleitorais (15 de dezembro) e que podem votar hoje são 70.385, universo eleitoral semelhante ao de outras diretas em que houve disputa.

As eleições internas no PSD decorrem hoje entre as 14:00 e as 20:00, em 396 mesas de voto distribuídas em Portugal continental, Açores, Madeira, Europa e Fora da Europa, estando envolvidas cerca de 2.800 pessoas no processo eleitoral.

Além do próximo presidente do PSD, os militantes sociais-democratas elegerão ainda os delegados ao Congresso, que se realizará entre 16 e 18 de fevereiro, em Lisboa, onde tomará posse o novo presidente do partido e serão eleitos os órgãos nacionais.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.