PSD pode ter vantagem com divisão de votos dos socialistas

Um destes três candidatos, Miguel Costa Gomes, Domingos Pereira ou Mário Constantino será, inevitavelmente, o novo presidente da Câmara de Barcelos. A população não parece ainda ter um claro favorito. Nesta altura, a maior preocupação local é a abstenção.

Em Barcelos, a luta pelo poder começou, há mais de um ano, dentro do Partido Socialista (PS). Domingos Pereira, antigo número dois da Câmara Municipal (CM) queria ser candidato a presidente. O PS não deixou e escolheu manter Miguel Costa Gomes, o atual presidente. Domingos Pereira, até então vice de Miguel Costa Gomes e líder do PS Barcelos, demitiu-se dos cargos partidários, desfiliou-se do partido e avançou como independente.

Para perceber melhor todo este processo é necessário recuar até 2009, ano em que Miguel Costa Gomes venceu as autárquicas, derrotando o candidato do PSD, Fernando Reis. O presidente renovou o mandato, em 2013 e tudo apontava para que fosse a opção natural para as eleições deste ano. Contudo, o PS de Barcelos avançou com outro nome, o do ex deputado Domingos Pereira.

A decisão da estrutura partidária local foi contra as regras da direção nacional do PS, que prevê a recondução dos autarcas socialistas que se queiram recandidatar. Foi, assim, a intervenção da Comissão Política Nacional do PS, que resolveu o problema, impondo o nome do atual presidente da CM Barcelos na corrida às autárquicas 2017. Domingos Pereira não baixou os braços e decidiu avançar como independente, levando a uma provável divisão dos votos socialistas no concelho, que foi durante anos pintado de "laranja". Mesmo desfiliando-se do partido, Domingos Pereira assegurou que, se continuar a integrar o grupo parlamentar do PS, será um deputado "leal".

À luta ente Miguel Costa Gomes e Domingos Pereira junta-se Mário Constantino, o candidato social democrata, em coligação com o CDS. O nome do candidato do PSD não é novo para os barcelenses. O professor e advogado já foi vice-presidente da CM de Barcelos e vereador, com ligações à autarquia até 2009, ano em que o PSD perdeu a hegemonia no concelho, para o PS. O nome de Mário Constantino também não reuniu consenso. O PSD/Barcelos tinha anteriormente anunciado que o seu candidato nas próximas autárquicas seria Sérgio Azevedo, mas a contestação interna fez cair a sua candidatura.

Um destes três candidatos, Miguel Costa Gomes, Domingos Pereira ou Mário Constantino será, inevitavelmente, o novo presidente da Câmara de Barcelos, com slogans de campanha que fazem antever as apostas políticas de cada um. Domingos Pereira defende "Barcelos, Terra de Futuro". "De futuro porque em 2009 o PS Barcelos apresentou uma solução de governação que rompesse com o conformismo da gestão autárquica exercido durante 30 anos, ignorando a nova realidade política numa conjuntura de grandes fluxos financeiros, disponibilizados através dos diferentes Quadros Comunitários", explicou o candidato no seu discurso de apresentação.

Miguel Costa Gomes sustenta "Paixão por Barcelos". É um slogan que apela ao amor pelo concelho e uma equipa "renovada e com paixão por Barcelos", salientou Miguel Costa Gomes, na apresentação da sua lista. "Mais Barcelos", o slogan do da coligação PSD/CDS, e promete, segundo Mário Constantino, fazer "os Barcelenses participarem de forma ativa na gestão camarária, que abra a câmara às pessoas".

Mudanças em maio

No atual executivo da CM, só o presidente Miguel Costa Gomes e a vice, Armandina Saleiro, é que detêm pelouros. Em Maio de 2016, Costa Gomes retirou os pelouros a Domingos Pereira, alegando "deslealdade", depois da sua polémica candidatura à CM de Barcelos. Outros três vereadores socialistas renunciaram aos pelouros, em solidariedade para com Domingos Pereira.

Miguel Costa Gomes, que conseguiu reduziu um passivo em 32 milhões de euros, avança agora com uma lista da qual fazem parte Armandina Saleiro, José Beleza, Anabela Real, Francisco Rocha, Miguel Costa Faria, Ilda Silva, Casimiro Rodrigues, Catarina Sá, Catarina Duarte e Ricardo Guimarães.

Miguel Costa Gomes ganhou um adversário interno, mas já fez saber que, para ele, o grande rival nestas eleições não é o seu antigo vice, Domingos Pereira, mas sim Mário Constantino, do PSD.

Já Domingos Pereira parte para a corrida com José Pereira, Elisa Braga, Paulo Mendanha, António Miranda, Sandra Longras, António Rodrigues, Sérgio Torres, Sandra Teixeira, Jorge Rodrigues, Gonçalo Santos, Paula Vilas Boas, André Simões, Paula Gomes, Nuno Ponte e Sandra Santos. Na apresentação da lista, o ex deputado prometeu dar especial atenção à agricultura e à área empresarial.

O PSD foi "o partido de Barcelos" entre 1976 e 2009, ano em que perdeu, por pouco (43.35%), as eleições autárquicas para o PS (44.52%). Em 2013, a margem de votos já foi superior, ganhando com cerca de 46% dos votos, contra 34.97% do PSD. Os socialistas entram na próxima corrida divididos entre dois candidatos e com os votos dispersos. Quem poderá ganhar vantagem com esta luta interna no partido socialista é o PSD, que espera recuperar um concelho que já foi seu durante várias décadas.

A população não parece ainda ter um claro favorito. Nesta altura, a maior preocupação local é a abstenção, que nas últimas eleições passou dos 30%, naquele que é o maior concelho do país (no que diz respeito ao número de freguesias).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.