PSD estranha operação de créditos fiscais na Associação Mutualista Montepio

Sociais-Democratas querem explicações do primeiro-ministro sobre negócio da entrada de capital no banco

O PSD manifestou esta terça-feira dúvidas sobre a operação de créditos fiscais da Associação Mutualista Montepio autorizada pelo Ministério das Finanças e quer explicações urgentes do primeiro-ministro sobre "o negócio iminente" para a entrada de capital no banco.

Estas posições sobre a eventual entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do banco Caixa Económica Montepio Geral, bem como sobre a recente operação de créditos fiscais da Associação Mutualista Montepio foram transmitidas, em conferência de imprensa, pelo vice-presidente da bancada do PSD António Leitão Amaro.

A Associação Mutualista Montepio anunciou na segunda-feira que registou lucros de 587,5 milhões de euros em 2017, bem acima dos 7,4 milhões de euros em 2016, e passou a capitais próprios positivos. As contas da Associação Mutualista Montepio beneficiaram do impacto de ativos por impostos diferidos superiores a 800 milhões de euros.

"Todos fomos apanhados de surpresa relativamente à existência de uma aprovação por parte do ministro das Finanças [Mário Centeno] de uma operação de engenharia contabilística que gera créditos fiscais no valor de 800 milhões de euros. Um partido responsável, como o PSD, antes de formular um juízo cabal e global sobre uma certa operação procura esclarecimentos sobre o mesmo", referiu o dirigente da bancada social-democrata.

Numa primeira análise à operação de créditos fiscais, António Leitão Amaro definiu-a como "estranha", já que a Associação Mutualista "detinha um estatuto que lhe permitia isenções fiscais - estatuto que, aparentemente, para resolver um problema contabilístico pontual, vai perdê-lo para o presente e para o futuro".

Ou seja, de acordo com António Leitão Amaro, tirando o caso do IRC, a instituição "vai provavelmente passar a pagar outros impostos, o que implica despesa adicional sobre a Associação Mutualista que antes não existia".

"Não deixa de ser intrigante para que num certo momento a instituição faça uma composição, ou recomposição, relativamente a um conjunto de exercícios recentes, se esteja por outro lado a onerar em outros impostos. A natureza deste processo, a questão adicional relativa à proteção e tranquilidade patrimonial dos aforradores são questões que merecem a nossa preocupação", observou.

Na conferência de imprensa, António Leito Amaro também insistiu na exigência de explicações urgentes do primeiro-ministro, António Costa, relativamente "ao iminente" negócio para a entrada no capital do banco Caixa Económica Montepio Geral - situação que considerou "inquietante", porque "a avaliação requerida ainda não é conhecida".

"As notícias de hoje tornam indispensável que o primeiro-ministro responda às perguntas que o PSD lhe submete também por escrito. Apesar de se falar agora num valor global menor [de compra], nesta nova versão, porém, o preço a pagar [por cada unidade de participação] será ainda mais elevado", justificou o "vice" da bancada do PSD.

De acordo com o ex-secretário de Estado social-democrata, em paralelo, "continuam as notícias de que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e o banco prosseguem o trabalho para a conclusão do negócio".

"Para mais, com esta nova versão, a concretizar-se, levaria a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa a pagar ainda mais caro, cerca de 25% a mais por cada unidade de participação. O primeiro-ministro está ou não a insistir em impor a entrada na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio? Temos de saber qual o estado deste processo e como é que o Governo responde", insistiu António Leitão Amaro.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?