PS diz a Arménio Carlos que "é bom festejar" em "clima de compromisso"

Ambiente de grande cordialidade entre secretária-geral adjunta socialista e líder da CGTP-IN

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, disse hoje ao líder da CGTP-IN, Arménio Carlos, que "é bom festejar" o 1.º de Maio "em clima de compromisso" e de "reforço do diálogo social".

"É isto que é bom, festejar Abril, festejar o 1.º de Maio, em clima de compromisso, de diálogo e de reforço do diálogo social, que é absolutamente essencial", disse Ana Catarina Mendes a Arménio Carlos.

A secretária-geral-adjunta do PS esteve em Lisboa em representação dos socialistas no desfile do 1.º de Maio, cumprimentando Arménio Carlos antes de o dirigente sindical integrar a 'cabeça' da manifestação, mas a saudação prolongou-se por quase cinco minutos de diálogo em frente aos jornalistas.

"Agradecemos a vossa participação, como é hábito. Contamos com o PS para esta mudança que é necessária", disse a terminar Arménio Carlos.

No início da conversa, o secretário-geral da Intersindical prometeu ao PS "apoio para lutar contra todas as ingerências" e uma advertência: "Não podemos é dar margem de manobra para cedências em relação a algumas matérias, a contratação coletiva, a questão dos salários, a precariedade", disse.

Ana Catarina Mendes respondeu que o dia de hoje é bom para afirmar a necessidade de reforço do sindicalismo e também vincar o virar "da página da austeridade, do sufoco em que as pessoas estavam".

"Hoje, nós podemos dizer que a valorização da concertação social, a reposição dos direitos, a reposição de salários, a valorização do salário mínimo nacional - aumentámos para já o que é possível aumentar -, são conquistas muito importantes", declarou Ana Catarina Mendes, acompanhada pela deputada Maria Antónia Almeida Santos.

Sempre em diálogo com Arménio Carlos, a dirigente socialista continuou: "Em terceiro lugar, estou de acordo consigo, temos de resistir às pressões internacionais, mas isso não significa rompermos os compromissos com a Europa, significa encontrarmos as melhores plataformas que defendem os nossos trabalhadores e o estado social".

Ana Catarina Mendes sublinhou ainda o empenho do Governo e dos socialistas para "encontrar formas de combater a precariedade" laboral.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.