PS ataca paraísos fiscais e pede "um novo ideal de justiça"

João Torres, líder da JS, foi quem representou o PS nos discursos da sessão solene parlamentar do 25 de Abril. Ontem o que se previa era que fosse Carlos César.

Antes de dizer que "urge apontar o caminho para um novo ideal de justiça", o deputado socialista denunciou situações próprias de um "mundo descentrado de referências humanistas".

"Não é fácil aceitar que o salário de uns seja pouco superior a 500 euros e o de outros superior a 50 mil", disse.

Acrescentando: "Não é fácil aceitar que uma elite avolume fortunas imorais em paraísos fiscais quando o cidadão comum mal consegue pagar as despesas do dia-a-dia". E "nada pode justificar que aceitemos como normal aquilo que o não é, aquilo que o não pode ser".

Para João Torres, "o desemprego, a precariedade e a emigração representam uma trilogia de sonegação de direitos sociais".

Mas "os portugueses podem, hoje, encontrar no Governo do seu país uma inquestionável vontade de corrigir as desigualdades, de devolver a esperança a um povo ferido, de recuperar para a Europa o sentido solidário de outros tempos".

E - concluiu - "para devolver credibilidade à política urge apontar o caminho para um novo ideal de justiça, não na forma como os sacrifícios são pedidos mas na forma como a riqueza é repartida".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG