Professores consideram exame exigente mas com gramática do Básico

Exame de Português realizou-se hoje de manhã. Associação Nacional de Professores de Português considera ter existido "um predomínio excessivo da Leitura"

A Associação Nacional de Professores de Português (ANPROPORT) já analisou a prova de Português do 12.º ano - cujo enunciado ainda não está disponível na página do IAVE - e considerou-a "não totalmente equilibrada", o que fez com que tivesse "um grau de exigência elevado".

Em comunicado, a ANPROPORT escreveu que o exame "apresenta uma boa seleção de textos e tem como referência objetivos que demandam operações cognitivas complexas". De facto, no total da prova 12 dos 20 valores, possíveis, estavam relacionados com questões de interpretação da leitura. A gramática representou apenas 3 valores, divididos em seis itens. "Quatro deles incidem sobre matéria do Ensino Básico, que não figura nos quadros gerais de conteúdos do Programa do Ensino Secundário", refere a apreciação feita pela associação de professores.

Além disso, "a terminologia usada no item sobre coesão (item 6 do grupo II - coesão referencial) não corresponde à do Dicionário Terminológico, ainda considerado como o referente a ter em conta neste programa", alerta.

Já a Associação de Professores de Português (APP) entende que "a prova se pautou pelo equilíbrio e objetividade".

O DN publicará o enunciado e as propostas de correção do exame realizado esta manhã, assim que estes estiverem disponíveis.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG