O que podem os recibos verdes esperar do IRS no próximo ano

Saiba o que esperar do novo orçamento do Estado

O Governo incluiu na proposta orçamental para 2018 mudanças ao regime simplificado de IRS que geraram críticas, tendo o PS agora apresentado outra solução, que abrange os profissionais liberais, mas exclui agricultores e pequenos comerciantes.

A alteração ao regime simplificado do IRS, destinado aos trabalhadores independentes, foi a surpresa da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), apresentada na noite de 13 de outubro, já que nem os partidos que suportam o Governo no parlamento estavam a contar com ela, e foi criticada por vários fiscalistas e ex-governantes, mas o executivo prepara-se mesmo para avançar com a medida, ainda que com contornos diferentes.

A solução alternativa foi apresentada pelo PS, através de uma proposta de alteração ao OE2018, que limita a abrangência das novas regras aos profissionais liberais, onde se incluem advogados, cabeleireiros, explicadores, jornalistas, dentistas, veterinários e lojistas, e aos prestadores de serviços do alojamento local.

De fora ficarão os agricultores e os pequenos comerciantes, mas também os trabalhadores dos setores da restauração e bebidas e da hotelaria que não seja alojamento local.

O Governo já disse que as novas regras não têm impacto fiscal para quem ganhe até "cerca de 27 mil euros", casos em que não é necessário registar despesas para continuar a beneficiar da totalidade das deduções automáticas que o regime continuará a ter.

Eis algumas perguntas e respostas sobre as alterações esperadas no regime simplificado de IRS:

Quem ficará abrangido pelo novo regime?

Os profissionais liberais (como advogados, cabeleireiros, explicadores, jornalistas, dentistas, veterinários e lojistas, entre outros) e outros prestadores de serviços (como os do alojamento local).

Quem fica de fora?

Os agricultores e os pequenos comerciantes não serão abrangidos, bem como os trabalhadores por conta própria cuja atividade seja a venda de produtos e serviços e os que tenham atividade no setor da restauração e bebidas e na hotelaria (excluindo alojamento local).

Como são tributados atualmente os profissionais liberais e do alojamento local?

Ao rendimento destes contribuintes é aplicado um coeficiente que funciona como uma dedução automática e que, na prática, faz com que o imposto incida apenas sobre parte do rendimento tributável e não sobre a sua totalidade.

O código do IRS atribui deduções diferentes em função da atividade em causa: por exemplo, 25% para os profissionais liberais (tributados sobre 75% do rendimento) e 65% para os outros prestadores de serviços (taxados sobre 35% do rendimento).

O que deverá mudar?

A presunção automática de despesas passará a ser limitada: uma parte continuará a ser presumida, mas outra ficará dependente das despesas suportadas e registadas, sendo que em ambos os casos apenas 15% das despesas passarão a ser justificadas e não presumidas.

Ou seja, os coeficientes de tributação deverão manter-se inalterados mas, para os alcançarem plenamente e não sofrerem um agravamento do imposto, os contribuintes terão de justificar 15% das despesas.

Como podem estes trabalhadores preencher os 15% de despesas?

Em primeiro lugar, através da dedução automática de 4.104 euros (igual à dedução específica do trabalho dependente) ou, quando superior, por via do montante das contribuições para regimes obrigatórios de previdência social que atualmente não são dedutíveis.

Também serão contabilizadas para este efeito as despesas com pessoal, as rendas e os encargos com imóveis e outras despesas como "materiais de consumo corrente, eletricidade, água, transportes e comunicações, rendas, contencioso, seguros, rendas de locação financeira, quotizações para ordens e outras organizações representativas de categorias profissionais respeitantes ao sujeito passivo, deslocações, viagens e estadas do sujeito passivo e dos seus empregados".

E se a despesa não for apenas relacionada com a atividade?

Neste caso, as despesas com imóveis e aquisição de bens e serviços são consideradas em apenas 25%, sendo que, no caso dos encargos com imóveis afetos à atividade, as deduções permitidas são mais
"apertadas".

Se os imóveis forem arrendados, são aceites as respetivas rendas e, se os imóveis forem propriedade dos trabalhadores, então é aceite como despesa uma amortização do respetivo investimento calculada automaticamente pelo Fisco em função do valor patrimonial tributário (VPT): os profissionais liberais poderão abater 25% de 1,5% do VPT do imóvel afeto à atividade, uma proporção que no alojamento local sobe para 25% de 4% do valor fiscal do imóvel.

Como poderão os trabalhadores imputar as despesas com imóveis à atividade profissional?

Através do sistema e-fatura, no portal das Finanças, onde estarão disponíveis três botões para cada imóvel, podendo os contribuintes indicar se a despesa é "pessoal, profissional ou mista".

O Governo indicou que "foram criadas regras simplificadas de amortização", que serão "aplicadas automaticamente pela AT, mediante a identificação pelo contribuinte de quais os imóveis afetos à atividade".

Todos os abrangidos pelas novas regras terão de justificar parte das despesas?

Não. A aplicação da dedução automática de 4.104 euros fará com que "apenas os contribuintes com rendimentos superiores a cerca de 27 mil euros" tenham de justificar parte das despesas para não sofrerem agravamentos fiscais por via destas alterações ao regime.

Segundo as contas do gabinete do ministro Mário Centeno, para não terem agravamentos, os recibos verdes abrangidos pelo novo regime que ganhem até 2.250 euros por mês não precisam de registar despesas, ao passo que os que aufiram 3.000 euros mensais terão de registar 108 euros em despesas.

O montante de despesas registadas necessário para não haver agravamentos aumenta à medida que sobe o nível de rendimento, chegando aos 250 euros para quem ganhe 5.000 euros.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.