Pedro Dias acusado do homicídio de Liliane Pinto

Ministério Público não tem dúvidas que homem também atirou, a 11 de outubro do ano passado, sobre a mulher que acabaria por morrer em abril, meio ano depois do marido e de um militar da GNR

Pedro Dias, preso preventivamente em Monsanto, está formalmente acusado do homicídio qualificado de Liliane Pinto, adianta o Jornal de Notícias. O Ministério Público (MP) sustenta que o homem também disparou sobre a mulher de 26 anos, que acabaria por morrer em abril, meio ano depois do marido Luís Pinto e do militar da GNR Carlos Caetano.

O casal foi baleado quando viajava de carro na N229 entre Aguiar da Beira e Viseu, a caminho de Coimbra, para uma consulta de fertilidade, a 11 de outubro do ano passado. Liliane Pinto, ferida com gravidade, ficou internada na Unidade de Neurocirurgia do Hospital de Viseu e, a partir de janeiro, deste ano transferida, em estado vegetativo, para a Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital de Seia, onde viria a falecer três meses mais tarde.

Recorde-se que a 30 de março, o Ministério Público acusou Pedro Dias de dois homicídios qualificados e mais dois na forma tentada, enquanto a mulher sobrevivia. Por estar entre a vida e a morte, para evitar pendências, o titular do inquérito entendeu separar os processos. Por isso é que só agora, quase três meses sobre o falecimento, tenha deduzido acusação autónoma.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG