PCP quer avaliação da subcomissão de Ética à contratação de Maria Luís Albuquerque

Comunistas consideram que contratação da deputada por parte da Arrow Global deve ser objeto de análise. E criticam "promiscuidade" entre poderes político e económico

O deputado do PCP Jorge Machado anunciou esta quinta-feira que o seu grupo parlamentar vai pedir à subcomissão de Ética para avaliar a situação da deputada do PSD Maria Luís Albuquerque, contratada por um grupo britânico de gestão de crédito.

"Tem havido demasiado tempo de promiscuidade entre o poder político e o poder económico e essa é uma mensagem errada que não se deve transmitir ao povo português. Os titulares de cargos públicos devem tê-los devidamente separados do poder económico", afirmou Jorge Machado no Parlamento.

A ex-ministra das Finanças foi nomeada para administradora não executiva da Arrow Global, a qual tem em Portugal clientes como o Banif, o Millennium BCP ou o Montepio, com efeitos a 7 de março e que a agora deputada vai integrar o comité de risco e auditoria.

"Esta promiscuidade de uma deputada, que foi ministra das Finanças, que esteve diretamente relacionada com o processo do Banif e agora é contratada por uma empresa que ganhou a carteira de créditos mal parados desse mesmo Banif, é uma matéria que, do ponto de vista da ética republicana, deveria suscitar sérias questões. Mas, lá está, em matéria de ética, cada um tem a que tem", salientou Jorge Machado.

Segundo o deputado comunista, "há matérias de legalidade e devem ser avaliadas pela subcomissão de ética".

"Há sérias dúvidas relativamente ao estatuto dos deputados, seu regime de incompatibilidade e impedimentos a que estão obrigados, e também a violação do chamado período de nojo, segundo o qual titulares de cargos públicos, quando cessam funções, não podem exercer atividade nos ramos que tutelaram", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG