Paula Brito e Costa defende-se das acusações: "Sou alérgica ao marisco"

Ex-presidente da Raríssimas disse ainda que os vestidos comprados com o cartão da empresa eram "fardas" para eventos formais

A fundadora e ex-presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa, negou qualquer conduta incorreta na gestão desta instituição, garantindo que as despesas que fez foram todas em benefício da IPSS.

Sobre duas despesas específicas realizadas com o cartão de crédito da Raríssimas: uma despesa avultada em gambas num supermercado e vestidos adquiridos na loja Karen Miller, Paula Brito e Costa disse, em entrevista à jornalista Sandra Felgueiras, para o programa Sexta às Nove, que as primeiras não se destinavam a consumo próprio - "Sou alérgica ao marisco. Era bom que isso ficasse gravado" - e que os segundos se destinaram a visitas "à rainha de Espanha", encontrando-se ambos na instituição. "O vestido está na Raríssimas. São as minhas fardas".

Questionada sobre se o dinheiro doado à Raríssimas poderia ter sido melhor aplicado do que em despesas desta natureza, Paula Brito e Costa garantiu: "Não falta aos meus 'filhos' absolutamente nada", referindo-se aos utentes desta associação.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG