Passos diz que desconfiança está instalada e ceticismo a regressar

Líder do PSD repara que declaração de Schäuble é uma de entre várias que vão aparecendo "denotando expetativa e desconfiança quanto ao caminho que está a ser seguido"

O líder do PSD considerou hoje que a desconfiança dos parceiros europeus em Portugal instalou-se e que "um certo ceticismo" está a regressar quanto ao desenvolvimento orçamental e económico do país.

Numa intervenção num almoço com empresários promovido pelo Internacional Club of Portugal, o presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho, falou por duas vezes das declarações que mostram que ao nível político começa a desenvolver-se, sobretudo nos parceiros europeus, a ideia de que Portugal pode "estar novamente no caminho do incumprimento".

Primeiro, sem se referir diretamente às declarações proferidas quarta-feira pelo ministro das Finanças alemão sobre um eventual segundo resgate a Portugal, Passos Coelho sublinhou que apesar da renovação do compromisso do Governo de que o país irá cumprir, isso não afastou a desconfiança.

"Na verdade a desconfiança instalou-se", vincou o antigo primeiro-ministro, reiterando que uma vez perdida a credibilidade ou confiança alcançada será muito difícil reverter a situação.

"Isso não se faz telefonando a uns investidores ou reunindo uns exportadores", ironizou, insistindo que o país poderá ser penalizado durante muito tempo se perder o "elo de confiança" com os mercados e que Portugal está "perigosamente" a aproximar-se de "um período em que essa confiança pode ficar em causa e em que o trabalho para a reconstruir pode ser demorado".

Mais tarde, já em resposta a questões colocadas pelos empresários, Passos Coelho referiu-se diretamente às declarações do ministro das Finanças alemão, considerando que Wolfgang Schäuble não deveria ter dito o que disse, "independentemente das motivações que possa ter tido".

"Quando estamos a falar de circunstâncias limite como são as que estão associadas a um pedido de ajuda externa tem de haver um comedimento muito grande, ainda para mais por parte de alguém que tem responsabilidades como ele tem", sustentou, lembrando, contudo, que esta é uma de entre várias declarações que vão aparecendo "denotando expetativa e desconfiança quanto ao caminho que está a ser seguido".

Pois, acrescentou, mesmo quando se fala sobre as sanções que podem ser aplicadas a Portugal, vê-se "um certo ceticismo a regressar quanto à forma como se pode perspetivar o desenvolvimento orçamental e económico em Portugal".

"Acho que era muito importante que o Governo se empenhasse fortemente em deixar muito claro quais são os instrumentos que pode utilizar, independente do acerto ou desacerto das políticas, de que essa situação não ocorrerá", vincou.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.