Partiu novo contingente militar para a República Centro Africana

Força partiu com um mês de atraso porque teve de substituir seis militares acusados da morte de dois recrutas.

O grosso do segundo contingente militar português na República Centro Africana (RCA) deixou Lisboa na madrugada desta segunda-feira, informaram fontes militares.

Os 138 efetivos vão juntar-se aos 21 do destacamento avançado que estão em Bangui há alguns dias, para os quais já foi feita a transferência de autoridade (TOA) da primeira Força Nacional Destacada (FND) naquele país africano, adiantou uma das fontes ouvidas pelo DN.

A primeira força, enviada em janeiro para a RCA sob o comando do tenente-coronel Musa Paulino, chega a Lisboa ao fim da tarde desta segunda-feira, anunciou o Estado-Maior General das Forças Armadas.

O novo contingente comandado pelo tenente-coronel Alexandre Varino, maioritariamente composto por militares comandos e com três controladores aéreos táticos da Força Aérea, partiu com mais de um mês de atraso porque seis dos seus elementos tiveram de ser substituídos devido a regras da ONU.

Esses seis militares comandos - três oficiais, dois sargentos e uma praça - estão acusados da morte de dois recrutas no curso iniciado em setembro de 2016 e as normas da ONU, relativas à certificação das forças de capacetes azuis, não permitem a sua presença nos seus contingentes.

Nesse documento, datado de janeiro de 2016, a organização "pede que os governos dos Estados membros certifiquem, por escrito, que nenhum dos militares destacados ou a destacar" para as operações de paz da ONU "tenham estado envolvidos" em casos envolvendo ofensas criminais, "incluindo de natureza sexual".

A orientação da ONU abrange também os militares que "tenham sido condenados, ou estejam presentemente sob investigação ou sejam acusados por qualquer ofensa criminal".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG