Pai agradece aos agentes da PSP que salvaram a vida do filho de 3 anos

História foi partilhada nas redes sociais. Agentes intervieram para ajudar a levar criança em estado crítico para o hospital

A história foi partilhada por Bruno Pontes, o pai que, no passado mês de outubro, quase viu morrer o filho. E foi prontamente divulgada pela PSP nas redes sociais, que lhe agradeceu as palavras e deu a conhecer a um público mais amplo a pronta intervenção de dois agentes do comando distrital de Setúbal.

"Tudo se passou quando eu, a minha mulher e os meus dois filhos decidimos passar um fim de semana em Sesimbra e o mais novo começou a vomitar violentamente e a desmaiar por volta das 20h30. Nós decidimos arrancar logo para o hospital García de Horta (com a aflição nem demos conta que o Hospital de Setúbal era mais perto!!!) Iniciamos a nossa marcha de emergência até ao hospital, tivemos inclusive que parar 3 vezes para reanimar a criança!! Já em Almada completamente perdido porque perdi a noção da localização do Hospital (nós somos da zona de Loures) passamos pelo carro da polícia (dos respetivos agentes em questão) eu nem vi!!! Tamanha era a minha aflição... e é aqui que entram DOIS HOMENS BONS nesta história!!!", escreve Bruno Pontes.

O pai conta que os dois agentes iniciaram no carro da PSP a marcha de emergência, sem o fazer parar, indicando-lhe o caminho para o hospital, sendo que Bruno Pontes acabou por falhar a entrada para a unidade hospitalar porque o filho estava inanimado naquele momento. "Foi então que o agente Luís Batista entrou para dentro do meu carro e prestou auxílio ao meu filho. A partir desse momento segui novamente atrás do carro da polícia conduzido pelo agente Gonçalo Pereira em direção ao hospital, desta vez consegui chegar ao hospital porque o agente Luís Batista estava a prestar auxílio em conjunto com a minha mulher e dessa forma consegui compor-me".

Bruno Pontes escreve ainda que, já no hospital, o agente Batista pegou na criança ao colo e saltou um vão de escadas à entrada, para conseguir alcançar os serviços de urgência com maior rapidez. "Eu a correr atrás dele não consegui fazer o mesmo e acabei por cair", conta o pai. "Felizmente tudo acabou bem e passado um dia o meu filho saiu pelo próprio pé", escreve Bruno, que deixa o agradecimento público aos agentes para que lhes sirva de "incentivo" no trabalho e para que "todos os dias pratiquem o bem".

A história já tinha tido, na tarde desta terça-feira, mais de 14 mil partilhas no Facebook.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.