Os Verdes anunciam voto a favor do Orçamento

Apoio ao OE na votação na generalidade não impede algumas críticas do partido eleito em coligação com o PCP

O Partido Ecologista Os Verdes anunciou hoje, no Porto, que vai votar a favor do Orçamento do Estado 2016 na generalidade, apesar das "limitações externas" e de "algumas insuficiências" daquele documento.

"Os Verdes, hoje, (...) decidiram votar a favor do Orçamento do Estado para 2016 na generalidade, mas isto não nos vai inibir de apresentar propostas da especialidade que nós consideramos justas e que começamos a partir de hoje a trabalhar", declarou o deputado José Luís Ferreira, em conferência de imprensa, que decorreu hoje na Baixa da cidade do Porto.

Os Verdes estiveram hoje reunidos em Conselho Nacional, o órgão máximo entre convenções. O Orçamento começa a ser discutido na segunda e será votado na generalidade na terça-feira.

José Luís Ferreira observou, no entanto, que o Orçamento do Estado 2016 (OE2016) "continua preso a fortes condicionantes externos, nomeadamente no que diz respeito à dívida pública".

"Os Verdes continuam a entender ser absolutamente necessário renegociar [a dívida] porque de facto a dívida pública continua, não só a sufocar o país, como também a ser um entrave ao desenvolvimento económico do nosso país".

"Os Verdes consideram que apesar das limitações externas e de algumas insuficiências deste Orçamento do Estado, ele enquadra-se dentro dos parâmetros de uma posição conjunta que foi subscrita entre os Partido Socialista e o Partido Ecologista".

O Partido Ecologista Os Verdes considera todavia, que este OE2016 se enquadra dentro da posição conjunta que assumiram com o Partido Socialista e, portanto, "essa é que será a bitola e a definição do sentido de voto do Partido Ecologista Os verdes".

Questionado pela Lusa sobre se a tomada de posição de hoje serve para se demarcarem do PCP, o deputado José Luís Ferreira afirmou desconhecer se o Partido Comunista Português já teria tomado uma posição sobre a sua posição em relação ao OE2016 na generalidade, mas assumiu que se houver algum "desvio" não há "nenhum mal nisso".

"Não sei se há desvio, se há paciência. Não há nenhum mal nisso", declarou, recordando que concorreram no âmbito da CDU, mas a coligação para as Legislativas termina depois do "ato eleitoral e portanto Os Verdes têm a sua postura própria e o seu ponto de vista próprio e não estão à espera que outro partido decida para decidirmos", afirmou, reiterando que se houver desvio [na intenção de voto] "não há qualquer problema sobre isso".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.