Nove concelhos em risco muito elevado de incêndio no centro e sul do país

Instituto Português do Mar e da Atmosfera indica que há outros 11 concelhos sob risco elevado de incêndio.

Nove concelhos dos distritos de Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro estão este domingo em risco muito elevado de incêndio, segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No distrito de Castelo Branco estão sob este alerta os concelhos de Vila Velha de Rodão e Proença-a-Nova, no distrito de Santarém o de Mação e, no distrito de Portalegre, o concelho de Gavião.

De acordo com a informação disponível no 'site' do IPMA, estão também em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Alcoutim, Castro Marim, Tavira, São Brás de Alportel e Loulé, no distrito de Faro.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou ainda em risco elevado de incêndio 11 concelhos dos distritos de Vila Real (Vila Real), Faro (Silves e Portimão), Castelo Branco (Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova, Castelo Branco), Portalegre (Nisa, Marvão), Santarém (Abrantes) e Beja (Mértola e Almodôvar).

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o 'reduzido' e o 'máximo'. O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Para hoje no continente, as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera apontam para céu pouco nublado ou limpo, apresentando-se muito nublado e com neblina e nevoeiro no litoral centro até ao início da manhã, e para uma subida de temperatura, em especial da máxima e nas regiões do litoral.

O vento soprará fraco a moderado (até 25 km/h) do quadrante norte, soprando moderado a forte (até 40 km/h) na faixa costeira ocidental, em especial a norte do Cabo Raso e durante a tarde, e nas terras altas estará fraco a moderado (até 30 km/h) predominando de nordeste, sendo moderado a forte (até 45 km/h) até ao início da manhã e no final do dia.

Nos Açores, grupo ocidental, são esperados períodos de céu muito nublado, com boas abertas, e a possibilidade de aguaceiros fracos. O vento será de sudoeste bonançoso (10/20 km/h), rodando para sul.

Para as ilhas dos grupos central e oriental, as previsões apontam para céu geralmente pouco nublado, com o vento a soprar fraco a bonançoso (05/10 km/h) do quadrante sul.

Na Madeira, o céu estará geralmente muito nublado com abertas nas vertentes sul, sendo ainda esperados aguaceiros fracos nas vertentes norte e terras altas até ao início da manhã.

O vento estará moderado a forte (25 a 40 km/h) de nordeste, soprando forte (40 a 50 km/h), com rajadas até 70 km/h, nas terras altas e no extremo leste da ilha da Madeira.

As temperaturas máximas previstas para hoje são de 29 graus Celsius em Lisboa, 30 em Faro, 26 no Porto, 30 em Bragança, 25 em Ponta Delgada e 24 no Funchal.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.