"No PS não há medo." Dirigentes socialistas de Lisboa respondem a críticos

Marcos Perestrello e Duarte Cordeiro fizeram as despesas de abertura do Congresso socialista. Com palavras para os críticos

Marcos Perestrello, presidente da federação de Lisboa do PS, abriu os trabalhos e começaram logo as respostas aos críticos internos. "No PS não há medo. E é até insultuoso que alguém o pense ou diga", atirou - respondendo assim a uma entrevista de há dias de António Galamba (antigo braço direito de António José Seguro) ao jornal i.

Logo depois, o coordenador da concelhia de Lisboa, Duarte Cordeiro - que nomeou pela primeira vez os parceiros parlamentares do partido, BE, PCP e PEV - defendeu ter "a certeza que [os acordos à esquerda] receberão um apoio esmagador deste congresso", sublinhando que os socialistas vão "demonstrar que não há limitações para acordos".

O Congresso arrancou 40 minutos para lá da hora prevista, com a canção dos Who, Baba O"Reily, que é a abertura da série CSI Nova Iorque, a chamar os congressistas para tomarem os seus lugares - e eram ainda enormes as clareiras na sala do Congresso.

Carlos César foi reeleito presidente socialista com 914 votos dos 926 delegados votantes. Estão inscritos cerca de 1700 delegados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.