"No PS não há medo." Dirigentes socialistas de Lisboa respondem a críticos

Marcos Perestrello e Duarte Cordeiro fizeram as despesas de abertura do Congresso socialista. Com palavras para os críticos

Marcos Perestrello, presidente da federação de Lisboa do PS, abriu os trabalhos e começaram logo as respostas aos críticos internos. "No PS não há medo. E é até insultuoso que alguém o pense ou diga", atirou - respondendo assim a uma entrevista de há dias de António Galamba (antigo braço direito de António José Seguro) ao jornal i.

Logo depois, o coordenador da concelhia de Lisboa, Duarte Cordeiro - que nomeou pela primeira vez os parceiros parlamentares do partido, BE, PCP e PEV - defendeu ter "a certeza que [os acordos à esquerda] receberão um apoio esmagador deste congresso", sublinhando que os socialistas vão "demonstrar que não há limitações para acordos".

O Congresso arrancou 40 minutos para lá da hora prevista, com a canção dos Who, Baba O"Reily, que é a abertura da série CSI Nova Iorque, a chamar os congressistas para tomarem os seus lugares - e eram ainda enormes as clareiras na sala do Congresso.

Carlos César foi reeleito presidente socialista com 914 votos dos 926 delegados votantes. Estão inscritos cerca de 1700 delegados.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG