Marcelo não veste "a camisola de nenhum partido nem de nenhum candidato"

"Não tenho, nem tenho de ter, simpatias ou antipatias", disse também

O Presidente da República afirmou esta terça-feira, a propósito do seu almoço com Pedro Santana Lopes, que não veste "a camisola de nenhum partido nem de nenhum candidato", rejeitando qualquer envolvimento nas escolhas do PSD.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas no final de uma iniciativa no Museu da Eletricidade, em Belém, admitiu, contudo, que o critiquem por esse encontro com o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, porque "o país é livre, as democracias são assim, há liberdade de comentário".

"O fundamental é que os portugueses sabem que não intervenho na vida do PS, nem do PCP, nem do Bloco de Esquerda, nem dos 'Verdes', nem do PAN, nem do PSD, nem do CDS, só para falar daqueles que têm representação parlamentar. E, portanto, na vida de nenhum partido", defendeu.

Interrogado se não pode ter passado a imagem de que "vestiu a camisola" de um candidato à liderança do PSD, o chefe de Estado respondeu: "Não há esse perigo, nenhum. Não visto a camisola de nenhum partido, nem de nenhum candidato, nem de nenhuma sensibilidade partidária, mas rigorosamente de nenhum partido".

"Não tenho, nem tenho de ter, simpatias ou antipatias", acrescentou.

Na segunda-feira, o Presidente da República confirmou ter recebido o atual Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Pedro Santana Lopes, no Palácio de Belém e disse que o encontro foi sobre "o papel da Misericórdia no sistema económico e financeiro português".

Questionado sobre a situação na Catalunha, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "é um problema do Estado espanhol" e reiterou que "deve ser resolvido no quadro da Constituição e das leis do Estado espanhol".

Portugal, mesmo sendo um país "vizinho, amigo, com relações fraternais desde sempre, ainda assim não deve fazer nenhum comentário através dos seus representantes", considerou.

Relativamente à política nacional, o chefe de Estado recordou que desde que tomou posse tem repetido que Portugal precisa de "um Governo forte" e também de "uma oposição forte".

Em seguida, separou essa ideia da situação atual do PSD: "Sempre defendi isso. Não tem a ver com lideranças partidárias, é uma posição de fundo".

"Sobre esse partido, qualquer partido, a minha posição é sempre a mesma: a pior coisa que um Presidente da República pode fazer é meter-se na vida dos partidos. Portanto, os partidos são livres de decidir o seu futuro, votar a sua estratégia, eleger os seus líderes, e o Presidente da República não pode nem deve envolver-se nessas escolhas partidárias", disse.

No seu entender, é importante haver "um Governo forte", o que implica que a atua "fórmula de Governo inédita e complicada" funcione de forma "coesa e em condições de resolver os problemas do país".

Por outro lado, deve haver "uma oposição forte" para que haja "a certeza de que, no caso de os portugueses quererem escolher uma solução diferente daquela que está hoje no Governo, podem fazê-lo".

O chefe de Estado insistiu que "está num plano que é um plano acima das questões partidárias", com a preocupação de "ter uma capacidade de intermediação, como aconteceu nos últimos dias".

"Nos últimos dias eu ouvi os vários partidos e parceiros económicos e sociais e percebi qual era a evolução política a curto prazo", mencionou, argumentando: "Ora, só é possível ter esse conhecimento e essa capacidade de diálogo com os partidos se o Presidente não vestir a camisola de nenhum partido e, por maioria de razão, de nenhum setor dentro de nenhum partido".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.