"Não acredito que o povo soberano volte a desejar Passos como primeiro-ministro"

Entrevista a Alberto João Jardim, ex-presidente do Governo Regional da Madeira

Por que motivo optou por não vir ao Congresso do PSD?
Apesar de estatutariamente os ex-presidentes de governos regionais terem direito a estar nos Congressos Nacionais, o PSD que atualmente existe nem me enviou a convocatória. Claro que isto é indiferente ao atual Conselho de Jurisdição Nacional, mais preocupado em punir os deputados madeirenses que votaram conforme aos interesses legítimos do povo que os escolheu.
O que diria aos delegados do PSD no congresso?
Se fosse possível, nada que agradasse aos ouvidos dos atuais ocupantes do Partido.
Que balanço faz da presidência de Passos Coelho?
A presidência de Passos Coelho foi internamente fraturante e fez no país uma governação inaceitável sob os pontos de vista da justiça social, de desenvolvimento e de independência nacional, sendo responsável pelo descontentamento que propiciou o regresso dos comunistas, PCP e "bloco", à área do poder.
Acredita que Passos Coelho é o melhor líder para o partido? Que outras figuras seriam indicadas para liderar o partido?
Não acredito que o povo soberano volte a desejar Passos Coelho como primeiro-ministro, pelo que vai sendo tempo de os que são sociais-democratas encontrarem uma solução alternativa, no ou fora deste PSD, que mobilize o Portugal profundo, e que é errado que ande sempre à volta de um "sebastianismo".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG