Ministro não se pronuncia sobre as nomeações e salários milionários

Os salários elevados dos administradores e uma nomeação "mistério" na Autoridade Nacional de Aviação Civil estiveram em debate na assembleia

O ministro do Planeamento e Infraestruturas "não comenta" a situação invulgar relacionada com os membros do Conselho de Administração da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), nomeada pelo anterior governo. Ontem, no parlamento, o presidente da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CRESAP), João Bilhim, desafiou o governo a resolver a situação.

Em causa está, por um lado, os salários dos administradores, cujo valor triplicou em relação aos vencimentos dos anteriores administradores do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), que viria depois a ser a ANAC. Com a nuance de ambos, presidente e vice-presidente, terem recebido uma avaliação de "adequado, com limitações" da (CRESAP). A remuneração mensal de presidente, cargo ocupado por Luís Ribeiro, subiu de 6030,20 euros para 16075,77; o de vice-presidente, ocupado por Carlos Salgado, subiu de 5498,65 euros para passar a receber 14468,20 euros. Ambos transitaram da ANA - Aeroportos de Portugal, uma empresa regulada pela ANAC, e esse conflito de interesses foi um dos motivos que levou a CRESAP a colocar reticências na sua avaliação. A outra foi a falta de experiência numa entidade reguladora da aviação civil.

Por outro lado, o caso do cargo de vogal, ocupado por uma ex-assessora do anterior secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro (atualmente contratado pelo Banco de Portugal), sem que, garantiu Bilhim, nada tivesse tivesse passado pela CRESAP. A nomeação "mistério" de Lígia Fonseca foi realizada "em regime de substituição" ainda para o INAC, mas, como frisou João Bilhim, "esse estatuto não está previsto nas entidades reguladoras", como é a ANAC.

O presidente deste organismo que avalia o curriculum dos dirigentes públicos, lançou, no entanto um desafio ao atual governo: "Uma coisa é certa, quem está em regime de substituição está numa situação periclitante. Interrogo-me porque tendo passado tanto tempo, mais de 100 dias deste governo, a situação ainda não foi resolvida".

Contactado pelo DN, o gabinete do Ministro Pedro Marques, não quis comentar ou indicar que medidas poderiam ser tomadas. Esta situação tem causado bastante incómodo no seio do governo e o caso de Lígia Fonseca é mesmo considerado, por fonte do executivo, como "intolerável". Há ainda, contudo, um motivo forte para esteja a ser protelada uma decisão. Enquanto não estiver fechado o dossier da TAP é entendido que não será oportuno fazer alterações na entidade reguladora, pois poderia ser entendido como uma intromissão.

(Atualizado às 14:15)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...