Ministro da Saúde entende "intenção" de demissões em Faro como casos pontuais

Três diretores de serviço do hospital de Faro demitiram-se devido à falta de resposta para a sobrelotação de doentes e à alegada pressão para altas precoces

O ministro da Saúde considerou hoje uma situação pontual a "intenção de demissão" de três diretores de serviço do hospital de Faro, lembrando que, no país, há cerca de 1.800 profissionais com cargos idênticos.

Depois de questionado pelo PSD na comissão parlamentar de Saúde sobre três diretores dos serviços de Medicina em Faro que estão demissionários, o ministro Adalberto Campos Fernandes indicou que a informação que tem é de que "houve uma manifestação de intenção de saída".

Indicando que acredita que a situação será contornada ou resolvida, o ministro afirmou ainda que há "cerca de 1.800 diretores de serviço" nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde, entendendo que é uma situação circunscrita e pontual.

Os diretores dos três serviços de Medicina do Hospital de Faro estão demissionários devido à falta de resposta para a sobrelotação de doentes e à alegada pressão para altas precoces, segundo denunciou na terça-feira o Sindicato dos Médicos.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médico (Sim), Jorge Paulo Roque da Cunha, disse que os três diretores dos serviços de Medicina do hospital do Algarve (Faro) pediram a demissão.

De acordo com Roque da Cunha, aqueles serviços do hospital deparam-se com uma sobrelotação de doentes e com dificuldades de internamento.

O SIM refere que a administração do hospital tentou pressionar os serviços para que dessem altas antecipadas a doentes.

"É uma atitude irresponsável. Apelo a que o Ministério da Saúde invista no hospital do Algarve, invista nos serviços e os dote dos recursos humanos necessários", afirmou Roque da Cunha à Lusa.

A agência Lusa contactou o Hospital de Faro, ficando a aguardar uma declaração.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG