Militares omitiram informação clínica no concurso para os Comandos

Exército diz que dados da relação médico-doente no hospital militar são revelados pelos próprios às unidades a que pertencem

O Exército disse esta segunda-feira que "compete ao utente" do Hospital das Forças Armadas (HFAR) "informar a sua unidade" militar de eventuais patologias clínicas diagnosticadas no quadro da "relação médico-doente".

No âmbito da saúde assistencial prestada pelo HFAR, "compete ao utente informar a sua unidade da proposta médica" para tratar problemas clínicos detetados porque, "se não o faz, a unidade não sabe. E o HFAR também não sabe se o utente vai concorrer aos Comandos", sublinhou ao DN o porta-voz do ramo, tenente-coronel Vicente Pereira.

A Renascença noticiou esta segunda-feira que cinco dos instruendos afastados do 127ª curso de Comandos por razões médicas apresentavam "doenças graves" - um dos quais um cancro ósseo na zona da bacia - que já tinham sido detetados durante exames feitos anteriormente no HFAR.

"Um dos candidatos sofre de síndrome de Gilbert, uma doença hepática crónica, de origem genética. Outro tem uma doença cardíaca, também genética, e antecedentes de epilepsia. Um terceiro instruendo [...] tem um tumor ósseo na bacia, visível [...] à vista desarmada. No quarto caso, o candidato a comando tem duas hérnias discais e o quinto candidato uma dismetria dos membros inferiores", precisou a Renascença.

Os casos acabaram por ser detetados durante o curso porque, durante os exercícios, os militares em causa apresentaram queixas que "levaram à avaliação clínica da situação e à proposta de eliminação" desses instruendos, sublinhou Vicente Pereira.

A título de exemplo, disse Vicente Pereira, um militar marca uma consulta no HFAR, é-lhe diagnosticado um tumor que, por "razões pessoais", entende não informar a respetiva unidade.

"A postura do utente [do HFAR] é crucial e, neste tipo de cursos" para as forças especiais, "o Exército assiste muitas vezes à ocultação de patologias para poderem ir ou continuar no curso", lamentou o porta-voz do ramo.

Para o Exército e no âmbito da saúde operacional de que o ramo é responsável, mesmo quando os exames são efetuados no HFAR, os cinco instruendos "realizaram exames e análises" antes e durante o curso - na semana em que a instrução foi suspensa após as mortes de dois militares - em que foram "considerados aptos".

De qualquer forma, adiantou o porta-voz do Exército, estas situações "serão analisadas clinicamente e, eventualmente, objeto de processo de averiguações".

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.