Time Out Market, o novo Mercado da Ribeira, recebe 'Óscar' da restauração

Inovação e qualidade do Time Out Market garante a conquista do Hamburg Food Service Award de 2018, um dos prémios mais cobiçados da Europa no setor da restauração

O Time Out Market, instalado no antigo Mercado da Ribeira, junto ao Cais do Sodré, em Lisboa, é o vencedor da 36ª edição do Hamburg Food Service Award. O prémio foi anunciado na tarde desta sexta-feira, numa cerimónia em Hamburgo, na Alemanha.

Este grande espaço - food hall - dedicado às gastronomia de Lisboa conseguiu conquistar, pela primeira vez na história daquele que é considerado o 'Óscar' europeu do setor, um prémio normalmente reservado aos restaurantes.

O revitalizado Mercado da Ribeira - Time Out Market desde 2014 - reúne em cerca de 7.000 metros quadrados, o que de melhor a cidade tem para oferecer: restaurantes, chefs e produtos nacionais. São mais de 40 espaços de oferta gastronómica, com 800 lugares sentados em área coberta e outros 250 nas esplanadas. E à comida tradicional, o food hall lisboeta ainda alia uma inédita oferta cultural - com eventos que vão do teatro, a concertos e exposições - e uma escola de cozinha.

João Cepeda, presidente da marca Time Out Market (TOM), que foi a Hamburgo receber o prémio perante cerca de 500 personalidades do setor vindas de toda a Europa, não esconde a sua satisfação.

O Hamburg Foodservice Award foi lançado em 1983 e tem distinguido diversas pessoas, conceitos e espaços na Europa. No comunicado emitido pelo TOM lia-se que, "entre os premiados, encontram-se personalidades como Sir Terence Conran, conceitos como o Prêt-a-Manger, Vapiano, Wagamama e Ikea (restauração) e grandes grupos de restauração e retalho como a McDonald"s, Migros e Blue Elephant". Os prémios são atribuídos por um painel de especialistas e representantes da indústria de toda a Europa.

Para o responsável do TOM, este prémio só vem consagrar o caráter visionário do conceito e coloca-o ao nível de outros expoentes máximos da gastronomia europeia. "Na carta que enviaram a notificar-me do prémio falavam precisamente da importância de - numa altura em que este conceito de food hall se começa a consagrar pelo mundo -, esta ser a primeira vez que um deles ascende ao terreno que estava, até agora, reservado aos restaurantes", disse ao DN João Cepeda. "Isto é importante também enquanto afirmação do conceito, o facto de nós - esta gente que faz food hall - termos conseguido ter o mesmo reconhecimento que, antes, apenas os grandes grupos ou os restaurantes de luxo tinham", acrescentou.

O que até nem é despropositado, se se pensar que entre os 24 restaurantes presentes no TOM, três deles contam com chefs galardoados com estrelas Michelin. E no primeiro piso do mercado está o Pap'açorda, icónico restaurante de Lisboa que durante 35 anos esteve no pitoresco Bairro Alto.

A estes espaços ainda se juntam 8 bares, uma escola de cozinha (Academia Time Out), uma sala de eventos - com vista para o mercado tradicional e para o food hall -, uma aceleradora criativa (Second Home), uma discoteca (Rive-Rouge) e mais de uma dezena de espaços comerciais, tudo com o melhor de Lisboa.

3,6 milhões de visitantes num ano

Talvez por tudo isto, este é o espaço da cidade com mais afluência em Lisboa, afirmam os seus responsáveis. Em 2017, o número de visitantes subiu dos 3,1 milhões, do ano anterior, para 3,6 milhões. E embora não possa ainda ser divulgado o volume de negócios do TOM deste ano (só em finais de março), sabe-se que em 2016 total faturado pelos concessionários atingiu os 24 milhões de euros.

Outros números recolhidos pelos responsáveis incluem o facto de o TOM contar 82 mil seguidores no Facebook, 7.000 no Instagram, onde contabiliza também mais de 20 mil referências. No TripAdvisor, o TOM tem 12.861 críticas, ocupa o 1º lugar de 121 na categoria Comida e Bebida em Lisboa e é o nº 5 de 185 na categoria Atrações em Lisboa. No Google, encontram-se 10.110 comentários acerca do TOM, que regista 4,4 estrelas em 5.

Entre portas, o TOM contabiliza números que são autênticas curiosidades, como é o caso de alguns recordes de vendas registados. Por exemplo, num só dia, o Chef Miguel Castro e Silva chegou a vender 130 doses de Bacalhau à Brás, a Chef Marlene Vieira, 275 Polvos à Lagareiro, e a Manteigaria Silva, 57 patas de presunto inteiras; a Marisqueira Azul serviu 7.000 ostras num mês e o Pap'Açôrda 410 pastéis de massa tenra numa noite.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.