Médicos escrevem carta a ministro em protesto por atraso na colocação

Os 36 signatários da carta questionam o ministro sobre a razão da demora

Um grupo de médicos recém-especializados em Medicina Geral e Familiar que aguarda colocação há quatro meses escreveu uma carta aberta ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, a protestar contra a situação e tenciona entregar-lha hoje.

"O grupo de médicos Recém-Especialistas em Medicina Geral e Familiar que a 16 de outubro de 2017 concluiu um longo e exigente percurso formativo encontra-se desde então a aguardar a publicação do concurso de colocação 'sine die'", lê-se no documento.

Os 36 signatários da carta questionam o ministro sobre a razão de tal demora, quando "milhares de portugueses de todas as faixas etárias continuam à espera de ter um médico de família".

Interrogam-se também sobre a razão pela qual "o Estado privilegia e aumenta a subcontratação de médicos sem especialidade através de empresas, a custos avultados e muito superiores", enquanto eles continuam a ser remunerados como internos da especialidade.

Uma vez que "a 10 de janeiro de 2018, o Sr. ministro da Saúde disse na Assembleia da República que o concurso seria 'lançado dentro de dias'" e que já passaram "várias semanas desta declaração", estes médicos especialistas instam-no a marcar "uma data concreta e breve" para a abertura do concurso em causa.

O grupo indica ainda que esta carta aberta será hoje entregue "por recém-especialistas da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, às 16:00, na sede da ARS Norte, e por recém-especialistas da ARS Centro, às 14:30, na sede da ARS Centro".

"[A carta será entregue] ao excelentíssimo Senhor Ministro da Saúde 'por mão própria' tão cedo quanto possível, já que não acedeu ao nosso pedido de entrega do referido documento pessoalmente", referem ainda.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG