Martins da Cruz: "Portugal não tem alternativas à Europa"

Embaixador defende que o país tem de valorizar na Europa "os outros eixos da nossa política externa, sobretudo o vetor africano"

O embaixador António Martins da Cruz defendeu, esta quinta-feira de manhã, que Portugal não tem alternativas à Europa. "Nós não temos alternativas à Europa, Portugal está e tem que estar na União Europeia" (UE), apontou o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, na conferência do DN sobre "Que Europa queremos?", que decorre hoje no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Portugal depende no plano político, económico, social. "Enquanto existir a UE, e já agora o euro que conhecemos, não temos alternativas nem opções válidas", apontou o embaixador.

Segundo Martins da Cruz, este facto não deve fazer perder de vista aquilo que é chamada vocação atlântica do país e o país vizinho. Como avisou na sua intervenção, "vem aí uma Europa a várias velocidades". "Provavelmente não poderemos estar em todos o núcleos duros, por razões financeiras, económicas e não excluo que, uma vez ou outra, por opções políticas", mas o país tem "de ser assertivo em Bruxelas", aproveitar "visibilidades", como a eleição de Mário Centeno para presidir ao Eurogrupo, na linha das escolhas anteriores de Durão Barroso e Vítor Constâncio.

Portugal deve "saber ser parte ativa dos equilíbrios europeus, foi sempre uma preocupação, eu diria mesmo um êxito, da diplomacia portuguesa", notou o embaixador. Mas também deve "valorizar, saber valorizar na Europa os outros eixos da nossa política externa, sobretudo o vetor africano". E citando Victor Cunha Rego, antigo diretor do DN e que foi também embaixador em Madrid, "a Espanha é, ou deve ser, a nossa política externa permanente". Sabendo "manter a nossa diferenciação na perceção dos decisores de Bruxelas e do mundo", defendeu Martins da Cruz.

Na parte inicial, o embaixador não deixou de apontar o dedo a uma Europa que, com o diagnóstico feito, da necessidade de ser resgatada, tem "falta de vontade e também de identidade e oportunidade política" para iniciar esse seu resgate.

Leia aqui na íntegra a intervenção de António Martins da Cruz.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.