Marinha investe cinco milhões em mísseis de médio alcance

Programa de modernização abrange sistema de armas das duas fragatas da classe Bartolomeu Dias e estende-se por cinco anos.

A Marinha foi autorizada pela tutela a modernizar o sistema de mísseis de longo alcance Harpoon nas fragatas Bartolomeu Dias e D. Francisco de Almeida, no valor de cinco milhões de euros, soube ontem o DN.

Aquela verba está prevista na Lei de Programação Militar (LPM), mas só agora, com o despacho do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, é que a Marinha pode avançar com a atualização daquele sistema de armas - integrado no programa de modernização de meia vida das duas fragatas da classe Bartolomeu Dias (adquiridas em 2006 em segunda mão à Holanda), que vai estender o seu período de vida operacional até 2035.

Os navios dispõem de dois lançadores quádruplos para disparar aqueles mísseis, colocados junto das antenas e do radar de aviso aéreo de longo alcance. A atualização agora autorizada envolve o sistema de comando e controlo de lançamento para a versão Federares, bem como a compra do material de apoio logístico integrado para "sustentar, manter e operar" aquela capacidade, segundo o despacho ministerial a publicar.

A distribuição financeira plurianual do investimento naquele sistema de mísseis antinavio começa neste ano e prolonga-se até 2021: um milhão agora e depois, sucessivamente, 800 mil euros, um milhão, 1,2 milhões e mais um milhão.

O programa envolve um pedido de autorização aos Estados Unidos da América para compra e transferência de tecnologia do sistema Harpoon (fabricado pela Boeing) e insere-se no capítulo da LPM referente à "capacidade oceânica de superfície". Para esse efeito, o ministro da Defesa delegou competências no chefe do Estado-Maior da Marinha, almirante Silva Ribeiro.

Os Harpoon, que também podem ser lançados a partir de aeronaves de patrulha marítima - como os P-3C portugueses da Força Aérea - e de submarinos, são mísseis de médio alcance com capacidade para atingir alvos a uma centena de quilómetros de distância.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG