Marco António Costa espera que novo Governo "não estrague" o que fez o anterior

Vice-presidente do PSD falava na Guarda, na sessão de encerramento da Academia do Poder Local

O vice-presidente do PSD, Marco António Costa, disse hoje esperar que o novo Governo do PS "não estrague" aquilo que foi feito pelo anterior liderado por Pedro Passos Coelho.

"Este Governo do PS e da esquerda, que não estrague aquilo que foi feito pelo Governo que o antecedeu", afirmou o dirigente social-democrata, referindo-se à situação global em que o Governo anterior (PSD/CDS-PP) deixou Portugal.

Marco António Costa falava na Guarda, na sessão de encerramento da segunda edição da Academia do Poder Local realizada pelo PSD e pelos Autarcas Social-Democratas, com 71 participantes de todo o país, com idades entre os 24 e os 65 anos.

Na sua intervenção, o vice-presidente do PSD recordou que o anterior Governo deixou "mais de sete mil milhões de euros de almofada para a gestão da dívida pública".

"Se o país tiver uma aflição, tem mais de sete mil milhões de euros de reservas, que é uma almofada financeira para a gestão da dívida pública. Bem diferente da situação em que nós recebemos o país, que não tínhamos almofada para rigorosamente nada, pousávamos a cabeça na pedra dura das dívidas que nos tinham deixado e de um país à beira da bancarrota", afirmou.

Disse que o novo executivo liderado por António Costa tem hoje "uma almofada de mais de sete mil milhões de euros para qualquer eventualidade".

"Mas mais do que isso, até ao final do ano têm 62 milhões de euros de dotação previsional para qualquer situação imprevista. E, por isso, se não mexerem, se não estragarem, os três por cento [de défice] serão atingidos sem grande dificuldade", vincou.

O dirigente social-democrata disse ainda que o tempo é agora de responsabilidade para todos: "Para os que tomaram o poder de assalto, para os que são o Governo do parlamento e os Governos dos Ministérios e para nós que estaremos na oposição a fiscalizar a defesa do interesse nacional e a garantir que eles não estraguem aquilo que nós fizemos em 1610 dias de trabalho e de sacrifício dos portugueses".

"Foram muitos dias de angústia, muitos dias de dor de cabeça, muitos dias de incerteza, para construirmos um país que encontrámos agora em 2015 numa situação completamente distinta daquela que tínhamos em 2011", afirmou.

Marco António Costa referiu também que da discussão do programa do Governo, conclui que "hoje em Portugal não existe um Governo mas existem dois Governos: o Governo que está nos Ministérios e o Governo que está na Assembleia da República".

"Esses dois Governos fingem estarem entendidos sobre aquilo que é essencial, mas o Governo dos Ministérios que é presidido e que é chefiado pelo doutor António Costa, não é o mesmo Governo da Assembleia da República que é liderado pela doutora Catarina Martins", afirmou.

Segundo o vice-presidente do PSD, hoje o país tem "dois chefes de Governo" e "isto não seria grave se o país não precisasse de ter estabilidade, de ter confiança e de continuar o ritmo de crescimento e o ritmo de desenvolvimento social que tem conseguido nestes últimos tempos".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?