Marcelo Rebelo de Sousa já teve alta e foi aplaudido à saída

Presidente não quer ser incomodado sobre financiamento dos partidos. "Decidirei na altura em que entender". Prazo termina dia 11

Marcelo Rebelo de Sousa teve alta cerca das 12:45, depois de ter sido operado a uma hérnia umbilical na quinta-feira, no Hospital Curry Cabral, em Lisboa. O presidente da República foi aplaudido pelo pessoal hospitalar e por populares que se encontravam na receção e até tirou uma selfie.

O chefe de Estado pediu para não ser incomodado nas próximas 48 horas acerca das alterações à lei do financiamento dos partidos. Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu a toda a equipa que o tratou ao longo destes dias e desejou um bom ano para todos os que estão doentes, internados ou em casa.

"Quero agradecer à equipa, toda a unidade, o apoio, acolhimento, a forma como fui acolhido tratado ao longo destes dias", disse, aproveitando para elogiar o Serviço Nacional de Saúde. "Com todos os altos e baixos, é uma conquista da democracia muito importante", afirmou, fazendo referência ao possível surto de gripe que poderá entupir as unidades de saúde no inicio do ano.

"Uma palavra para os que estão internados, com alguns dos quais privei, neste fim de ano e começo de ano. E para os que estão dentes em casa", acrescentou.

Finalmente, "para que não me incomodem nas próximas 48 horas", uma palavra sobre as alterações à lei de financiamento dos partidos, mas só para falar do prazo previsto para tomar uma decisão, o qual termina dia 11 de janeiro. "Decidirei uma de duas coisas: ou promulgo ou envio uma mensagem à Assembleia da República. Decidirei na altura em que entender", rematou.

Já amanhã, diz 1, Marcelo dirige-se ao país na tradicional mensagem de Ano Novo do Presidente, provavelmente gravada.

O Presidente da República foi operado a uma hérnia umbilical na quinta-feira no Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

A intervenção cirúrgica estava prevista para o início de janeiro, mas foi antecipada depois de o médico da Presidência, Daniel Matos, ter diagnosticado uma hérnia estrangulada, o que obrigou a uma operação de urgência.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.