Mais dois casos de legionella na Cuf Descobertas

Surgiram mais dois casos de 'legionella' no surto que está a ocorrer no hospital CUF Descobertas, em Lisboa. Os primeiros quatro casos tinham sido confirmados no domingo. Os dois novos infetados são um homem e uma mulher. Os primeiros quatro são mulheres.

A bactéria 'legionella' é responsável pela doença dos legionários, uma forma de pneumonia grave que se inicia habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia. A incubação da doença tem um período de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até dez dias.

A infeção pode ser contraída por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada. Apesar de grave, a infeção tem tratamento efetivo.

O diretor clínico adjunto do hospital CUF Descobertas, em Lisboa, assegurou ontem que foram efetuados todos os tratamentos necessários para resolver uma possível contaminação com a doença dos legionários naquela unidade de saúde.

Paulo Gomes admitiu ainda, em conferência de imprensa, que as águas quentes sanitárias podem ser a origem dos casos diagnosticados, embora sublinhasse que ainda não existe confirmação que a origem fosse no hospital.

O primeiro caso foi diagnosticado na madrugada de sábado e o segundo durante a tarde. "Existem quatro casos confirmados, duas utentes e duas funcionárias, que estão estáveis e com prognóstico positivo", afirmou Paulo Gomes, diretor clínico adjunto do hospital CUF Descobertas.

"Foram efetuadas colheitas e amostras em todo o hospital e vamos ter resultados em breve. Como não temos torres de refrigeração, a existir será nas águas quentes sanitárias e foram tomadas todas as medidas e o tratamento realizado como se houvesse contaminação confirmada", defendeu.

As quatro mulheres a quem foi diagnosticada a doença dos legionários têm entre os 47 e os 66 anos, estando todas "estáveis e com prognóstico positivo", apesar de uma delas estar nos Cuidado Intensivos.

"Uma das doentes está nos Cuidados Intensivos, mas para ser monitorizada pela sua fragilidade já de base. No primeiro caso detetado, a utente já tinha estado internada cerca de duas semanas antes no hospital e teve alta", referiu, explicando que este tempo está dentro do período de incubação da doença.

Paulo Gomes admite que possam surgir novos casos e referiu que os resultados das amostras recolhidas, quer pelo hospital quer pela Autoridade de Saúde, devem ser conhecidos em breve.

O diretor clínico adjunto confirmou ainda que os duches foram suspensos.

"Para além das medidas curativas, de esterilização das águas quentes sanitárias, foram também tomadas medidas de proteção, como a suspensão do uso do duche", frisou, explicando que o objetivo foi impedir a inalação de aerossóis contaminados.

O hospital CUF Descobertas continua a funcionar com normalidade, sem que nenhum serviço tivesse sido interrompido.

A bactéria 'legionella' é responsável pela doença dos legionários, uma forma de pneumonia grave que se inicia habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia. A incubação da doença tem um período de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até dez dias.

A infeção pode ser contraída por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada. Apesar de grave, a infeção tem tratamento efetivo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG