Mais de 70 agressões contra motoristas da Uber em Portugal

Condutores da Uber garantem que trabalham com medo. Maioria das agressões foi cometida por taxistas

Desde o início de 2015, foram reportadas às autoridades 71 agressões a motoristas que trabalham com a Uber, a plataforma que oferece serviços de transporte privado. Os casos aconteceram em Lisboa e no Porto e a maior parte das agressões terá sido cometida por taxistas, revela hoje o jornal Público.

O diretor europeu da Uber, o holandês Rob van der Woude, já apresentou queixa na Procuradoria-Geral da República devido aos sucessivos casos de violência e disse ao jornal que teme um agravamento da situação. Os taxistas arrancam esta segunda-feira com uma semana de luta contra a atividade da Uber em Portugal e contra o Governo, que acusam de nada fazer para travar uma plataforma "criminosa" e "ilegal".

Porém, conforme assinala o Público, quanto maior a contestação, mais cresce a Uber em Portugal: em agosto de 2014, arrancou em território nacional com a UberBlack, que utiliza carros topo de gama; em dezembro do mesmo ano, lançou a Uberex, com automóveis de gama média e, mais recentemente, em setembro do ano passado - data da primeira marcha lenta de taxistas contra a Uber em Lisboa e no Porto - a aplicação da Uber foi a mais descarregada em Portugal na App Stores da Apple.

Citando dados dos responsáveis, o Público escreve que a Uber opera hoje em Portugal com cerca de mil carros de empresas, a maior parte de operadoras com licença de transporte de turistas e de aluguer de automóveis. Já foram realizadas mais de um milhão de viagens no nosso país.

Sobre a revolta no sector dos táxis, os dirigentes das associações representativas - ANTRAL e Federação Portuguesa do Táxi -, apesar de já terem vindo a público condenar as agressões, atribuem responsabilidades ao Governo, que nada faz para "acabar com a ilegalidade no sector". "Quem não se sente, não é filho de boa gente", disse ao Público António Florêncio, o presidente da ANTRAL.

As associações preparam-se agora para avançar com uma ação nos tribunais que visa pedir uma indemnização "de milhões de euros" à Uber e aos políticos. Já os motoristas da Uber que prestaram declarações ao Público, sob anonimato, garantem que vivem com medo as horas que passam ao volante, devido às constantes ameaças que, cada vez mais frequentemente, passam a agressões.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG