Louçã eleva a fasquia: "Marisa terá mais votos que Maria de Belém"

Fundador do BE galvaniza as tropas, faz mira ao "PS em guerra" e dividido entre dois candidatos e ainda aponta a Marcelo que, critica, acha que "o país lhe deve um Oscar de carreira"

A estratégia é decalcada da campanha para as legislativas e o tom profético adaptado à realidade das presidenciais. Se na antecâmara da corrida ao Parlamento Francisco Louçã anteviu que o BE eleitoralmente já valia mais que o CDS, a quatro dias da eleição do novo chefe do Estado o fundador dos bloquistas foi contundente no vaticínio: "Marisa [Matias] terá mais votos que Maria de Belém."

O ex-coordenador do BE foi a estrela do comício deste 11.º dia oficial de campanha, que teve lugar em Braga, e elevou para outro patamar os objetivos da candidatura. Marisa tem falado da passagem à segunda volta, mas Louçã afastou-se dessa contabilidade e pôs as fichas todas noutra façanha: superar a ex-presidente socialista no domingo.

Belém ergueu um muro de silêncio desde a morte de Almeida Santos e ainda não veio a terreiro justificar a sua assinatura no pedido de fiscalização ao Tribunal Constitucional da revogação das subvenções vitalícias para os deputados. Louçã não deixou que o tema fosse votado ao esquecimento e fez mais: explorou as cisões entre socialistas - Belém/Sampaio da Nóvoa - no que respeita a estas presidenciais.

Com a palavra afiada, identificou então três razões para que os socialistas se inclinem para Marisa Matias. Na caça ao voto entre o universo "rosa", piscou o olho aos que "não aceitam que esta campanha seja apenas uma guerra entre o seu partido"; aos que querem superar "a maçada desta eleição", não se conformam com um "marcelismo cor de rosa" (referindo-se a Belém) e a "esquecer os seus próprios candidatos"; e, por último, àqueles que "não aceitam a casta e querem virar a página" - referindo-se à "manobra sorrateira para defesa das mordomias" dos deputados (21 socialistas e nove sociais-democratas) que recorreram ao TC. E apontou o dedo aos "partidos-empresa", como PSD e CDS - não afastando liminarmente o PS desse conjunto -, contra os quais se bate.

Num discurso que galvanizou os presentes na Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, Louçã frisou que, em tempos de crise, a sua candidata "não desistiu de ninguém" e que integra "uma esquerda que teve desgosto mas não aceita a fatalidade" e sublinhou que há 30, desde Maria de Lourdes Pintasilgo, que o país está "à espera da Marisa", a mulher que "não é uma candidata de cadeirão".

Quem também terá ficado com as orelhas a ferver com a intervenção do fundador do BE foi Marcelo Rebelo de Sousa. Louçã ancorou-se nos comentários e nas análises que têm sido feitos a esta corrida à sucessão de Cavaco e atacou com veemência a "arrogância implícita" de quem tem apostado na "estratégia da banalidade" e de "esvaziamento" político. E até os que consideram que "o melhor é o 'aceitómetro' completo". Traduzindo: a eleição de um Presidente que "garante o acordo completo com decisões que o primeiro-ministro não tomou".

Sobre esse "esvaziamento", puxou da ironia e reduziu-o ao absurdo. Só optará por ele "alguém que se candidata por estar enamorado pelo palácio de Belém" ou se o "Presidente da República tiver como função tratar do jardim".

Sem nomear a coisa nomeada, ou seja Marcelo, retomou os remoques: só pensará assim quem "considera que a campanha em si própria é uma obrigação excedentária porque o país lhe deve um prémio, um Oscar de carreira".

Na mesma toada, Louçã ainda se lembrou de equiparar a Presidência da República a uma aposta no Euromilhões, que "faz excêntricos todas as semanas", como se para se ser eleito "não fosse preciso merecer". "Não queremos uma lotaria, não queremos excentricidades em Belém", rematou.

Exclusivos