"Fartei-me do Santana como primeiro-ministro"

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio admite que, apesar de ter "estima" por Santana Lopes, se fartou dele em julho de 2004, quando decidiu dissolver o parlamento e convocar eleições antecipadas.

"Fartei-me do Santana como primeiro-ministro, estava a deixar o país à deriva, mas não foi uma decisão 'ad hominem'. Ninguém gosta de dissolver o parlamento e eu tomei essa decisão em pouco mais de 48 horas. Hoje faria o mesmo, porque era preciso", salienta o ex-chefe de Estado no segundo volume da sua biografia política, da autoria do jornalista do Expresso José Pedro Castanheira, que será lançado em 20 de março e apresentado em 07 de abril.

No livro, com 1063 páginas e a chancela da Porto Editora e da Edições Nelson de Matos, o ex-Presidente fala abertamente da crise política por si gerida no verão de 2004, quando Durão Barroso abandonou a chefia do Governo e Pedro Santana Lopes se posicionou na linha de sucessão, contrariando a posição do PS e dos partidos da esquerda, que pretendiam eleições antecipadas.

Sampaio reconhece que voltaria dar posse a Santana Lopes, apesar de não ter o poder legitimado por uma vitória nas urnas, mas o seu então chefe da Casa Civil, João Serra, nota que foi exigida "continuidade nas políticas", designadamente nas Finanças e nos Negócios Estrangeiros, e vetado o nome de Paulo Portas para esta última pasta.

"Conhecia-se a ambição de Paulo Portas em ser ministro daquela pasta, mas devido ao seu passado eurocético, o Presidente alertou para as dificuldades em o nomear", refere João Serra. Portas terá ficado "magoado" por não ter chegado aos Negócios Estrangeiros, o que viria a acontecer anos mais tarde, durante o executivo liderado por Pedro Passos Coelho.

João Serra afirma também que foi Jorge Sampaio quem sugeriu o nome do embaixador António Monteiro para chefiar a diplomacia e que Santana Lopes concordou de imediato.

No livro, são narrados vários daqueles que ficaram conhecidos em Belém como "episódios rocambolescos" do consulado de Santana Lopes, desde logo o ato de posse -- com Portas a ignorar que ficara com a tutela dos Assuntos do Mar e a dificuldade do chefe do Governo em ler o discurso.

Mas também a demissão de Henrique Chaves, até aí um indefetível de Santana, o ruidoso 'bater de porta' do então comentador da TVI Marcelo Rebelo de Sousa na sequência das críticas do ministro Adjunto Rui Gomes da Silva ("Nem o PS, o PCP e o Bloco juntos conseguem destilar tanto ódio ao primeiro-ministro e ao Governo") e o veto à "central de comunicação" que o executivo pretendia levar por diante.

Jorge Sampaio justifica a utilização da chamada "bomba atómica" com a alteração da situação política, no que é corroborado pelo seu então conselheiro Alberto Laplaine Guimarães, segundo qual os empresários, que no início defenderam a nomeação de Santana, já só queriam eleições antecipadas.

O ex-chefe de Estado recorda que deu posse a Santana Lopes contra a vontade da sua família política e reconhece que isso até lhe custou amizades pessoais.

"Eu não fiz em julho de 2004 aquilo que a minha gente queria que fizesse e houve mesmo quem me acusasse de traição ao meu eleitorado. Mas não há, de todo, nenhuma ligação entre a nomeação de julho e a dissolução de dezembro, que foi a hecatombe", assegura.

Sampaio diz que é "completamente mentira" a versão de que tudo foi arquitetado em Belém, alegando que foi "uma situação concreta em cada momento" e, no final, uma "situação de rutura".

"Ainda hoje há quem pense que foi tudo uma artimanha, uma dissolução clínica e conspirativa. Mas quem é que hoje em dia, em política, faz previsões a seis meses? E custou-me todas as críticas que se conhecem e uma amizade que durou anos a compor...", acrescenta.

De vez em quando é preciso dar voz ao povo -- e percebi qual era o sentimento do povo

Apesar de ter permitido a Santana um consulado de poucos meses em São Bento, o ex-chefe de Estado garante que a dissolução "não foi vingança", até porque "tinha boas relações pessoais" com o ex-primeiro-ministro. Cita, a propósito, o comentador e ex-dirigente do PSD Pacheco Pereira, segundo o qual, nas legislativas que se seguiram, "dois terços dos portugueses votaram contra o Santana".

"A minha relação com Santana era muito franca e cordial. Não tinha (nem tenho) nada de pessoal contra ele -- tenho até estima. O Presidente tem de ter um diálogo com o primeiro-ministro na base da confiança e tive conversas muito positivas com ele. Pediu-me opinião várias vezes, dei-lhe conselhos francos, mas estive sempre preocupado com o desenrolar dos acontecimentos, que se precipitaram muito rapidamente até descambarem na confusão", explica.

A fechar este capítulo, Sampaio volta a defender a bondade da sua decisão de devolver a 'palavra' ao povo, apesar de compreender a amargura de Pedro Santana Lopes.

"Entendo perfeitamente a decisão de Santana porque ninguém gosta de ver dissolvida uma Assembleia onde está em maioria, mas a verdade é que a maioria absoluta estava a desconjuntar-se", conclui.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.