Jerónimo lamenta perdas mas geringonça parece a salvo

Líder do PCP reconhece erros cometidos mas diz que perda de autarquias representa "sobretudo uma perda para as populações".

Os resultados autárquicos foram negativos para a CDU mas Jerónimo de Sousa deixou ontem implícito que os comunistas dificilmente vão endurecer posições, pelo menos a curto prazo, no quadro da geringonça.

"Não fizemos tudo bem feito", mas essa foi "uma batalha no plano do poder local", sublinhou o líder comunista. "A nossa convicção profunda é que as [eleições] autárquicas são autárquicas", reforçou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP pareceu relativizar a perda de uma dezena de autarquias - algumas importantes como Barreiro, Castro Verde e Almada - ao afirmar que serão "sobretudo uma perda para as populações" e porque isso se deveu "às vezes a diferenças pequenas" de votos, tal como em 2013 houve câmaras ganhas pela CDU também por valores mínimos.

Jerónimo de Sousa reconheceu que "é necessário não iludir que este resultado constitui um fator negativo para dar força" à luta do PCP e dos Verdes, mas a leitura dos números "não pode ser confinada ao número de maiorias obtidas".

Mais, "a CDU confirma-se como a grande força de esquerda no poder local", continuando presente "em todo o território", afirmou Jerónimo de Sousa, sem sinais visíveis de preocupação e afirmando-se disponível, nos planos "físico e anímico", para continuar a lutar pelos portugueses nas próximas batalhas eleitorais.

"Nunca tivemos vida fácil", respondeu aos jornalistas com um sorriso, depois de assumir que "teríamos mais força se tivéssemos conseguido evitar perdas", mas "serão muitos" os cidadãos que nessas autarquias "vão ter saudades da CDU", garantiu o secretário-geral do PCP.

Depois de ter passado de 28 presidências de câmara em 2009 para 34 em 2013 (tendo ganho 10 e perdido quatro), Jerónimo adiantou: "Em termos de comparação percentual eleitoral estivemos ao nível de 2009", talvez "baixando 1% face a 2013."

Além das já enumeradas, Moura, Barrancos, Castro Verde (no distrito de Beja), Alandroal (Évora), Peniche (Leiria) e Alcochete (Setúbal) foram algumas das presidências de câmara perdidas pela CDU, aparentemente mitigadas pelo que Jerónimo apresentou como um facto: mantém-se "uma grande aversão ao governo anterior" entre os portugueses.

Por isso, "vamos manter o exame comum ao Orçamento de Estado" para 2018, "dar visibilidade às nossas propostas na Assembleia da República".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?