Já há no PSD quem peça a demissão de Passos Coelho

Ferreira Leite, ex-líder dos sociais-democratas, foi uma das que veio dizer que Passos Coelho "não tem condições" para continuar

A ex-líder do PSD Manuela Ferreira Leite defende que Pedro Passos Coelho "não tem condições" para continuar na liderança dos sociais-democratas. À TVI, Ferreira Leite disse estar "um bocadinho abalada" com os "resultados demasiadamente maus" que as projeções antecipam para o PSD. E vincou que "é evidente que o presidente do partido também foi a eleições".

Também o antigo presidente da concelhia do PSD/Lisboa Mauro Xavier, que se demitiu por discordar da estratégia do partido com a escolha de Teresa Leal Coelho como candidata, pediu hoje que Pedro Passos Coelho assuma a "responsabilidade política" pelos resultados.

"A opção de Pedro Passos Coelho na escolha do candidato do PSD a Lisboa teve uma resposta clara do eleitorado. Demiti-me por não concordar com esta opção. Cabe-me pedir agora responsabilidades ao presidente do partido. Espero que o PSD não faça o mesmo que o Governo fez com o caso de Tancos e alguém assuma a responsabilidade política", escreveu Mauro Xavier na sua página de Facebook.

O socialista Fernando Medina foi hoje eleito presidente da Câmara de Lisboa, segundo as projeções das televisões divulgadas às 20:00.

A sondagem do Centro de Estudos da Universidade Católica para a RTP indica que a coligação "Nossa Lisboa", encabeçada pela líder do CDS-PP, Assunção Cristas, ficou em segundo lugar em Lisboa, ultrapassando o PSD, que era a segunda força política na câmara da capital.

As projeções da RTP dão 43% a 47% para a candidatura de Fernando Medina, 18% a 21% para a candidatura liderada por Assunção Cristas, 9% a 11% para Teresa Leal Coelho e o mesmo intervalo para a candidatura da CDU, encabeçada por João Ferreira.

O BE, a confirmar-se esta sondagem, consegue 7% a 9% dos votos, regressando ao executivo.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.